Israel assinalou hoje o 50.º aniversário do atentado dos Jogos Olímpicos de Munique1972 com uma homenagem aos 11 atletas assassinados feita pelas mais altas figuras do Estado, presenciada pelo presidente do Comité Olímpico Internacional (COI).

"Os 11 desportistas foram à Alemanha há 50 anos em nome do espírito desportivo, do espírito de fraternidade entre nações e entre estados. Foram brutalmente assassinados a sangue-frio por uma organização terrorista palestina apenas porque eram judeus, apenas porque eram israelitas”, lamentou o presidente do país, Isaac Herzog.

Telavive foi a cidade palco da cerimónia que contou com Thomas Bach, presidente do COI, bem como parentes dos falecidos e sobreviventes do atentado, perpetrado pelo grupo palestiniano Setembro Negro.

“Para nós, o massacre dos 11 atletas foi sempre um desastre nacional. Os anos que se passaram e a vossa luta, queridas famílias, pela memória, pela comemoração, pela justiça, mostraram acima de tudo que foi uma tragédia global”, acrescentou o político.

O ataque ocorreu na noite de 05 de setembro de 1972, porém Israel só hoje assinala a data, em função do calendário hebreu.

No início do mês, Herzog participou, na Alemanha, no evento que lembrou a tragédia.

Israel recebeu um presidente do COI pela primeira vez desde 2010, sendo que o alemão Thomas Bach teve a oportunidade de visitar o museu do Holocausto e reunir-se com familiares das vítimas do atentado de 1972.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.