Portugal apurou-se para as meias-finais do Europeu de andebol de sub-20 masculino ao bater a Dinamarca, por 26-20, em jogo da ronda principal disputado em Gaia.

Num encontro disputado sob intenso calor, que quase transformou o Pavilhão Desportivo Municipal de Vila Nova de Gaia numa sauna, a Dinamarca começou melhor e comandou o marcador até 5-6, após o que Francisco Costa converteu dois livres consecutivos de sete metros e o resultado virou para 7-6.

A partir daí, a Portugal engrenou tanto na defesa, com o guarda-redes Diogo Rema a dar confiança, como no ataque e foi-se distanciando da equipa nórdica.

Com o resultado em 11-7 favorável a Portugal, o treinador dinamarquês pediu um time out, Francisco Costa foi descansar, João Gomes entrou para o seu lugar e Martim Costa dilatou para 12-7.

A Dinamarca acumulou erros e falhou vários remates e Portugal aproveitou para somar golos e alcançar o intervalo com uma vantagem talvez inesperada de sete golos (17-10) sobre um opositor que representa uma das melhores escolas do andebol mundial e tem neste Europeu vários jogadores com mais de dois metros de altura.

A seleção fez uma exibição segura e consistente durante quase toda a primeira parte e entrou com o pé direito na segunda metade, com o ponta esquerdo Pedro Oliveira a aumentar para 18-10.

Vasco Costa, que hoje se juntou ao selecionado português, estreou-se neste Europeu com um golo (19-11), mas, a partir daí, a Dinamarca recuperou terreno, aproveitando a desaceleração lusa, e conseguiu reduzir a diferença para quatro golos (20-16).

O fulgor exibicional que Portugal evidenciou na primeira parte havia desaparecido e isso deu alento à Dinamarca, que só não obteve melhores dividendos em certos momentos porque Diogo Rema executou várias defesas e, deste modo, segurou a vantagem portuguesa e arrefeceu o ímpeto contrário.

Martim Costa quebrou a fase menos boa de Portugal assinando o golo 21 com um remate apoiado (49 minutos) e Francisco Costa falhou - coisa rara - um livre se sete metros, mas a Dinamarca não se ficou e conseguiu mesmo reduzir.

Faltavam já menos de 10 minutos para o fim quando Portugal reencontrou o norte e a baliza contrária, apontando dois golos seguidos contra nenhum da Dinamarca (23-17).

A defesa portuguesa também subiu de rendimento, Diogo Rema continuou em grande e o resultado saltou para 26-18 a três minutos do fim, com os irmãos Costa (Francisco e Martim), e o recém-entrado António Machado a 'faturar' e a pôr um travão definitivo à recuperação dinamarquesa.

Francisco Costa marcou o último golo português, o 10.º da sua conta pessoal, num lance de belo efeito, após passe de André Sousa, e a Dinamarca atenuou os danos apontando dois golos nos derradeiros instantes.

Portugal, que havia entrado nesta ronda principal com dois pontos à maior por ter ganhado o seu grupo na fase preliminar só com vitórias, soma quatro pontos e por isso garantiu já sua presença nas meias-finais, apesar de ainda ter de medir forças com a Hungria esta quarta-feira.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.