Inês Henriques sagrou-se campeã da Europa de 50 km marcha, em Berlim, dominando totalmente a prova que se estreou no programa oficial dos campeonatos, para juntar este título ao de campeã mundial obtido no ano passado.

A portuguesa chegou ao ouro numa prova muito dura, o calor pôs em risco o seu final, pois os juízes estavam a monitorizar as temperaturas e, quando se atingiram as 27ºC, pensou-se nas indicações médicas que recomendavam paragem da prova se se chegasse aos 29ºC.

Veja as melhores imagens da prova da marchadora portuguesa

Desde muito cedo que Inês Henriques se destacou das restantes e juntou-se a num grupo de homens, mas estes sentiram-se 'ameaçados' e aumentaram rapidamente o ritmo, o que deixou a atleta de Rio Maior numa corrida solitária, que granjeou uma enorme vantagem sobre as restantes, o que lhe permitiu gerir a prova depois de ter passado por dificuldades.

Terminando com 4:09.21 horas, que estabelece o primeiro recorde dos Campeonatos, Inês deixou a segunda, ucraniana Alina Tsvilyi, a mais de três minutos (4:12.44), com a espanhola Julia Takacs a subir na parte final para chegar ao pódio, com 4:15.22 horas.

"Inicialmente seguia muito bem, mas a temperatura foi subindo ao longo da prova, e, por volta dos 30 km, senti dificuldades, e a perna cedeu um pouco. Felizmente tinha uma grande vantagem e controlei a prova. Assim, juntei ao título de campeã do mundo o de campeã da Europa", afirmou Inês Henriques.

A atleta de Rio Maior, de 38 anos de idade, andou a ritmo de recorde do mundo até aos 30 quilómetros, onde passou com 2:25.18, mais de um minuto melhor do no Mundial de Londres (2:26.35), mas já estava em quebra. "Pretendia bater o recorde do Mundo, mas com as dificuldades não foi possível, mas o principal objetivo era ser campeã da Europa", disse a ribatejana.

Já com o treinador ao lado, Inês levou um 'raspanete': "Não devias ter ido com os homens, mais uma vez desobedeceste", disse Jorge Miguel. Inês pediu desculpa e acrescentou que a vantagem sobre a segunda foi bem grande, "mas poderia ter sido muito maior, se tivesse sentido uma temperatura mais agradável", frisando que agora aparecerão mais atletas e com melhores registos, o que implicará "obedecer cegamente às indicações do treinador".

Confiante, Inês Henriques já acenava para a bancada aos 18 km, e antes o seu momento de dança antes da partida, descontraída, não passou despercebido na transmissão televisiva. "Foi um momento brilhante, sim. O meu treinador disse para me divertir e foi o que eu fiz, estava tão contente que só pensei em deixar-me embalar com o ritmo", afirmou.

Ao mesmo tempo, decorria a final dos 50 km marcha, onde os portugueses ficaram aquém dos seus objetivos, com Pedro Isidro a ser o único a terminar a prova, em 24.º lugar, com a marca de 4.11.44, mas em grandes dificuldades, com queixas do tendão de Aquiles.

João Vieira, o outro português presente, desistiu aos 28 km e estava muito pesaroso no final da competição. "Preparámos muito bem estes Campeonatos, mas há coisas que nos ultrapassam. Eu seguia muito bem, mas comecei a ter fortes dores nos gémeos e tive que parar, já não chegaria a nenhum resultado. Foi perder o sonho que tinha", disse.

O vencedor foi o ucraniano Maryan Zakalnystkyy (3.46,32 horas), que geriu melhor a prova do que o eslovaco Matej Toth, campeão mundial em 2015 e campeão olímpico em 2016, que chegou a andar na frente, mas também quebrou bastante na fase final.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.