O Comité Olímpico Internacional (COI) vai analisar o processo do antigo ciclista Jan Ullrich, que pode perder as medalhas de ouro e prata conquistadas nos Jogos Olímpicos Sydney2000, anunciou hoje o presidente do Comité Olímpico alemão (DOSB).

«Vamos reexaminar tudo minuciosamente», disse Thomas Bach ao quotidiano alemão Die Welt, dois dias depois do vencedor da Volta a França de 1997 ter admitido o recurso a dopagem sanguínea.

De acordo com um dos candidatos a suceder Jacques Rogge à frente do COI, mesmo que, à primeira vista, «a sua confissão não seja mais do que a confirmação de factos já conhecidos das instâncias desportivas e dos procedimentos judiciais», a instância olímpica vai reabrir o processo.

Aos 39 anos, o único alemão a ter vencido o Tour reconheceu pela primeira vez, numa entrevista à revista Focus, ter recorrido ao doping com a ajuda do médico espanhol Eufemiano Fuentes, o cérebro da “Operação Puerto”, o maior escândalo de dopagem a afetar o desporto espanhol.

Até agora, Ullrich, que no ano passado foi condenado a dois anos suspensão pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) e viu os seus resultados desportivos serem anulados a partir de 2005, tinha negado todas as acusações de dopagem, apesar de ter admitido contactos com Fuentes.

Essa decisão permitiu ao ciclista alemão manter o ouro da prova de fundo e a prata do contrarrelógio de Sydney2000.

Segundo o código mundial antidopagem, os atletas podem ser sancionados até oito anos depois do evento em que participaram, no entanto, no ano passado, o COI retirou o bronze ganho no contrarrelógio dos Jogos Olímpicos de 2000 a Lance Armstrong, na sequência do processo da Agência antidopagem norte-americana (USADA) e da confissão do norte-americano.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.