O alemão Tony Martin, campeão mundial de contrarrelógio, acusou a organização da Volta à França de estar a jogar com a vida dos ciclistas por ter incluído na 18.ª etapa duas subidas no Alpe d’Huez.

Em entrevista ao Sport Bild, o ciclista da Omega Pharma-Quick Step manifestou-se preocupado com as características desta tirada de montanha, sobretudo pelas descidas em «estradas velhas, estreitas e cheias de irregularidades».

«O percurso de paralelos não permite grande controlo sobre a roda dianteira. Não há barreiras protetoras e vamos passar por uma zona com um precipício de quase 40 metros. O Tour está jogar com as nossas vidas.

A dupla subida pode ser um grande espetáculo para os adeptos, mas a descida é criminosa», alertou o ciclista germânico.

A 100.ª edição da Volta a França disputa-se entre 29 de junho e 21 de julho.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.