O Benfica esteve com um pé e meio na final da Champions de futsal mas permitiu a recuperação do Barcelona. Os Encarnados estiveram a vencer por 3-0 ao intervalo mas, no segundo tempo, os catalãs deram a volta e fizeram o 4-3. O Benfica ainda empatou quase a terminar mas, no prolongamento, o Barcelona marcou a 18 segundos do final e venceu por 5-4, no Arena de Riga, na Letónia.

No jogo decisivo o Barcelona vai reencontrar o Sporting, reeditando assim a final do ano passado. Os Leões eliminaram os franceses do ACCS, de Ricardinho.

O Benfica marcou logo aos 41 segundos de jogo. O guardião Didac derrubou o pivot Rocha dentro da área e recebeu amarelo. Na conversão, Tayebi não tremeu e fez o 1-0.

Respondeu o Barcelona logo de seguida, na primeira de uma sequência de vários remates aos ferros do Benfica. O primeiro foi do português Tiago Brito. André Sousa, guardião do Benfica, nada podia fazer.

Com um ritmo frenético, o perigo rondava as duas balizas, as oportunidades de golo aconteciam de um lado e do outro. André Sousa ia defendendo tudo na baliza Encarnada.

Aos nove minutos, o Benfica fez o 2-0. Rocha aproveita uma perda de bola de André Coelho e atirou de pé esquerdo, fazendo o segundos Encarnados.

O Benfica pressionava forte e ia cometendo muitas faltas. Chegou à quinta falta aos 14 minutos, algo sempre muito perigoso no futsal.

Mas a equipa de Pulpis manteve-se fiel a estratégia delineada e chegou aos 3-0 aos 16 minutos. Marcênio atirou à barra do Benfica, os Encarnados saíram em contra-ataque e marcaram por Afonso.

O Benfica tinha tudo bem encaminhado para mais uma final da Champions de futsal, onde já estava o Sporting (goleou os franceses do ACCS), mas na segunda parte o Barcelona começou a meter as bolas dentro da baliza.

É certo que os culés continuavam a criar muitas oportunidades, a atirar bolas aos ferros e a fazer brilhar o guardião português André Sousa, mas também começaram a acertar.

E logo aos 21 segundos o Barcelona reduziu, num autogolo de André Sousa. A bola bateu no poste, bateu nas costas do guardião e entrou.

Mas o Benfica recuperou e foi aguentando as investidas do adversário, com André Sousa a ser um gigante na baliza.

Aos 30 minutos o Barcelona voltou a encurtar distâncias e acreditou que seria possível. Grande golo de Ferrão, que recebeu de costas e, de calcanhar, rematou para a baliza.

Quatro minutos depois, Dyego empatou a partida, numa jogada onde puxou para o meio e disparou. A bola bateu num defensor Encarnado e enganou André Sousa.

A pressão do Barça em busca do empate rende frutos e Dyego faz o 3-3 com um remate que ainda sofre um ligeiro desvio. A reviravolta podia ter acontecido no mesmo minuto mas Sérgio Losano desperdiçou um livre de 10 metros (atirou à barra).

A dois minutos e meio do final, os espanhóis operaram a reviravolta, por Dyego que bisou na partida. Novamente a mesma jogada, do lado esquerdo para o meio, a terminar com um tiro que André Sousa não conseguiu travar.

O Benfica apostou no 5 para quatro, com guarda-redes avançado e empatou aos 26 segundos após sofrer o 4-3. Robinho trabalhou sobre um contrário e deixou Chishkala, que atirou para o 4-4. Que jogo!

Quase a terminar, mais uma bola nos ferros da baliza do Benfica, por Ferrão, após canto.

O jogo iria para prolongamento. Depois de algumas oportunidades de parte a parte e quando se esperava o prolongamento, o Barcelona marcou a 18 segundos do final, por Adolfo.

Na final, o Barcelona vai reeditar a decisão da última edição, que perdeu para o Sporting, ao defrontar os 'leões', que venceram os franceses do ACCS Asnières, nos quais alinha o português Ricardinho, por 6-2.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.