Em entrevista ao jornal espanhol 'Marca', Ricardinho abordou a decisão de abandonar a seleção portuguesa de futsal e um possível final de carreira.

O antigo capitão de Portugal revelou ainda que não está arrependido da sua decisão de deixar a equipa nacional.

"Queres sempre estar nas grandes competições, mas acho que tomei a melhor decisão. O corpo pediu-me. A seleção está mais do que preparada e eu estava no momento certo para deixá-la. Custou-me muito, doeu-me, mas foi o melhor para todos", admitiu.

Atualmente no Riga Futsal, o português assumiu que o final de carreira está para breve.

"Se não deixar de jogar esta temporada, será na seguinte, de certeza. Estou muito cansado psicologicamente. Por mim, jogaria até aos 50 anos, mas o corpo pede descanso. Estou a tentar desfrutar do jogo o máximo que posso e dar ao futsal o que o futsal me deu", concluiu.

Ricardinho foi considerado melhor jogador do mundo por seis vezes, conquistou o título de campeão mundial por Portugal e detém ainda o recorde de maior goleador da Champions de futsal.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.