O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, destacou esta quarta-feira a “marca indelével” da treinadora e selecionadora da ginástica rítmica desportiva de Cabo Verde, Helena Atmacheva, no desporto cabo-verdiano.

Ao galardoar a treinadora, com o II Grau da Medalha de Mérito Desportivo, o chefe do executivo frisou que desde a sua entrada no país, a técnica de naturalidade russa, tem feito muito por Cabo Verde, tendo ressalvado que este reconhecimento do Governo é extensivo a todos os cabo-verdianos.

Isto, por entender que Helena Atmacheva dedicou uma “parte importante da sua vida” para que Cabo Verde estivesse em três Jogos Olímpicos, alegando que a laureada deu mais de si para o surgimento de uma nova geração de atletas e treinadores cabo-verdianos.

Opinião partilhada pelo ministro do Desporto, Fernando Elísio Freire, para quem, a homenageada trouxe a disciplina e o rigor como “palavras mágicas” para o desporto em Cabo Verde, de tal modo que se afigura como “a cara da ginástica rítmica desportiva” no país.

Elísio Freire firmou o compromisso de o Governo criar todas as condições para que no futuro o país esteja dotado de uma infraestrutura condigna e apropriada para modalidades como a ginástica.

Enquanto isto, a homenageada mostrou-se emocionada, tendo ressalvado que deu o que tinha para dar a Cabo Verde, mas que nunca esteve a pensar em cerimónias idênticas de reconhecimento.

Helena Atmacheva aponta a participação nos Jogos Olímpicos, em três das quatro participações de Cabo Verde, e a conquista da Medalha de Ouro com Wânia Monteiro em aparelhos de massas, como os maiores títulos alguma vez conquistado como responsável técnica da ginástica cabo-verdiana, tendo manifestado o seu agradecimento ao executivo, “numa época com mais adversidades”.

Prometeu continuar a trabalhar, “antes da reforma”, mas deixa um recado para que haja mais condições de trabalho, tanto em termos de infraestrutura como de financiamento.

Helena Atmacheva está há 26 anos na elevação desta modalidade em Cabo Verde. Esteve sempre na linha da frente na constituição e na preparação de diversas seleções nacionais, nas mais destintas competições, com resultados positivos em diversas competições continentais.

Sob sua orientação técnica, a ginástica rítmica desportiva cabo-verdiana é detentora de 37 medalhas arrecadadas em competições internacionais, sendo duas de ouro, nove de prata e vinte e seis de bronze.

Esta distinção enquadra-se na premiação dos melhores do desporto cabo-verdiano, reconhecidos na Gala Nacional, realizada a 02 deste mês, na ilha do Fogo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.