Voam quilómetros num só dia com o instinto de regressar a 'casa' e têm um GPS biológico alinhado com o campo electromagnético do planeta que lhes permite um sentido de orientação único. Criam uma relação única com quem lhes dá comida e abrigo, e durante milénios foram instrumentos decisivos nos campos de batalha ao transportar mensagens importantes. De Ramsés III ao Rei Salomão, passando por Gengis Kahn ou à forças armadas do século XX, os pombos-correio influenciaram o rumo de vários conflitos armados ao longo da história e nos últimos séculos tornaram-se 'atletas de alta competição' podendo voar até mil quilómetros num só dia.

Ao contrário do que se pensa, os pombos-correio não levam mensagens espontaneamente de um determinado destino para o outro. Em vez disso, os pombos-correios são transportados do seu pombal até um certo ponto de partida, de onde têm depois de regressar a casa.

O instinto deles é voar em bando, mas depois ninguém espera por ninguém

O instinto natural dos pombos pode ser aperfeiçado para alcançar bons resultados desportivos

"O pombo tem o instinto natural de voar em bando, eles quando saem para vir para casa não sabem se estão perto se estão longe, voam ao ritmo em que se sentem confortáveis, ao ritmo a que estão habituados, e depois quem aguentar mais tempo naquele ritmo continua, e depois os que não aguentam vão ficando para trás. O instinto deles é voar em bando, mas depois ninguém espera por ninguém. Quem não estiver bem preparado ou não for tão bom fica para trás. É uma espécie de seleção natural nos ares", começa por dizer Paulo Domingos, Presidente do Conselho Desportivo da Associação Columbófila do Distrito de Lisboa, antes de explicar que tipos de competições existem atualmente.

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal créditos: D.R.

As provas começam no início do ano e são divididas em três categorias diferentes de acordo com as distâncias percorridas: velocidade (200-300 km), meio-fundo (300- 500 km) e fundo (500-800 km).

"Temos os nossos campeonatos nacionais, os campeonatos ibéricos e depois há as olímpiadas que é o mundial que se realizam de quatro em quatro anos. Aí os pombos não vão lá voar. Nos mundiais há uma fórmula através dos resultados que os pombos obtiveram nas provas: o coeficiente, que é o lugar que o pombo obteve vezes 1000 a dividir pelos pombos entestados", afirmou o dirigente da Associação Columbófila Distrital de Lisboa.

"Quanto mais pequeno for o coeficiente melhor a classificação, porque é sinal que o pombo marcou melhor e que entram mais pombos. Com mais pombos a dificuldade é maior. Ao nível das categorias, Portugal brilhou no Mundial na categoria de velocidade onde são contabilizadas as 10 melhores provas em dois anos, e foi aí que uma pomba portuguesa foi a melhor do mundo", acrescentou Paulo Domingos.

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal créditos: D.R.

Contra os adversários, voar, voar!

No passado mês de janeiro, Portugal conquistou uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Columbofilia na cidade de Poznan, na Polónia. A pomba vencedora na categoria de velocidade é treinada em Mafra por Mauro Aniceto e chama-se 'Portuguesa'. O animal tem quatro anos e venceu a competição na categoria de velocidade depois de 10 provas de distâncias entre 100 e 400 km. Em entrevista ao SAPO Desporto, Mauro Aniceto explica como preparou a 'Portuguesa' para a vitória nas Olimpíadas de Columbofilia.

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Mauro Aniceto treinou a pomba que deu uma vitória a Portugal nas Olimpíadas de Columbofilia de Poznan. créditos: D.R.

"Acho que em velocidade foi a primeira vez que Portugal ganhou uma medalha nas olimpíadas de columbofilia. Não me recordo de alguém o ter conseguido. Isto é muito difícil, quase impossível", começa por dizer Mauro Aniceto.

Tratar de pombos como atletas de alta competição é um processo longo e muito particular que exige paciência e método de trabalho. Mauro Aniceto vê-se como um autêntico treinador a quem são exigidas várias mais valias.

"Basicamente, um columbófilo é um treinador que tem o seu grupo de atletas. Os meus atletas são os pombos. Eu tenho uma equipa de 130 atletas que tenho de preparar da forma que eu acho que é a correta. Durante a semana faço um trabalho de alimentação, desde a água à ração. Há um plano específico para estas classes todas em que trabalho os pombos para uma determinada prova", acrescentou o treinador da 'Portuguesa'.

Há pessoas que têm os pombos acasalados, outros que têm os ovos a 'picar' para incentivar as fêmeas a regressar mais rápido

As estratégias de um columbófilo

E se ao nível da preparação física dos pombos, os columbófilos têm de ter em atenção a alimentação e a condição de saúde dos animais, já em relação às estratégias para os fazer regressar mais rápido ao pombal, a história é outra, pois a relação entre treinador e animal pode ser determinante.

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Mauro Aniceto treinou a pomba que deu uma vitória a Portugal nas Olimpíadas de Columbofilia de Poznan. créditos: D.R.

"Os pombos-correio não basta serem soltos num determinado sítio e virem para casa. Claro que eles fazem isso, mas neste caso estamos a falar de uma competição. Ou seja, o que interessa é eles serem soltos num determinado sítio e chegarem o mais rápido possível. Nós tentamos incentivar os pombos de várias formas possíveis para que quando eles são soltos das caixas tentem vir para casa o mais rápido possível", explica ainda Mauro Aniceto.

"Há várias estratégias. Há pessoas que têm os pombos acasalados, outros que têm os ovos a 'picar' para incentivar as fêmeas a regressar mais rápido. Outros têm uma estratégia que é: durante a semana os machos são separados das fêmeas e preparados para as provas. E ao fim de semana, quando eles chegam das provas, sabem automaticamente que quando chegarem ao pombal as fêmeas estão lá à espera deles e vice-versa, os machos estão à espera delas. Eu também faço esse método, não tenho nada que esconder, mas neste caso com esta pomba específica [que venceu as olimpíadas] ela está 'acasalada' comigo apesar de estar acasalada com um macho. Ou seja, ela vem da prova e faz mais caso de mim do que com o macho. Vem da prova toda contente, chega aqui ao pombal e vem para o pé de mim apesar de depois ir para o pé do seu macho. Mas dá a ideia que o sentido dela é vir para o pé de mim", revela Mauro Aniceto.

Este tipo de ligação entre Mauro Aniceto e a pomba 'Portuguesa' não é caso único. Paulo Domingos também estabeleceu uma relação próxima com os seus pombos, considerando-os como 'elementos da sua família'. Com nomes e tudo.

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Mauro Aniceto treinou a pomba que deu uma vitória a Portugal nas Olimpíadas de Columbofilia de Poznan. créditos: D.R.

"Os pombos estão todos anilhados. Depois do contacto no dia a dia começamos a conhecê-los. Parece um bocado estranho para quem não conhece isto porque os pombos parecem todos iguais. Estão ali 100 ou 150 pombos, é uma paixão estar todos os dias no pombal, faz com que os vamos conhecendo e isso é importante", frisa Paulo Domingos.

Já chorei com a morte de um pombo, custa muito

Mais do que um atleta, um pombo-correio é quase da família para um columbófilo

"Considero os meus pombos como elementos da minha família. A maior parte dos pombos tratamo-los pelo número porque são muitos. Mas depois há aqueles que nos são mais queridos em que lhes damos nomes. Os meus favoritos agora até são tratados por números. É o 35, o 74, são as duas pombas favoritas. Tenho algumas com nomes de pessoas, mas estas duas são as minhas 'craques'", conta Paulo Domingos antes de admitir que já chorou com a morte de um pombo.

"Já chorei com a morte de um pombo, custa muito. Estamos ali muitos dias com eles, anos até, e depois quando se perde um pombo ou quando morre um daqueles em que há uma maior empatia é quase uma morte na família", acrescenta Paulo Domingos.

O pombal é o local mais importante de um columbófilo

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Mauro Aniceto treinou a pomba que deu uma vitória a Portugal nas Olimpíadas de Columbofilia de Poznan. créditos: D.R.

Os pombais são mais do que portos de abrigo onde os columbófilos alimentam os seus 'atletas'. São também autênticos 'laboratórios' onde os 'treinadores' recorrem à seleção natural para construir as melhores linhagens para garantir gerações futuras de campeões, especialmente quando morrem os melhores.

"Nós aos melhores pombos começamos logo a tirar os filhos dos filhos, para começar logo a criar uma linha de campeões, e depois vamos introduzindo outras características das nossas provas. Procuramos pombos de famílias já ganhadoras", afirma Paulo Domingos.

Falo com eles, mesmo quando eles estão a entrar no pombal, vou falando com eles. Isto também para eles não terem receio e não me estranharem.
Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Mauro Aniceto treinou a pomba que deu uma vitória a Portugal nas Olimpíadas de Columbofilia de Poznan. créditos: D.R.

Já Mauro Aniceto explica a importância do 'contacto' com os pombos no pombal durante a semana.

"É muito importante observarmos a forma como os pombos voam, ver se comem, saber se estão tristes. O olho é muito importante para este caso porque nós que trabalhamos com os pombos precisamos muito do poder da observação para fazer as nossas análises", diz Mauro Aniceto.

"Fazemos a preparação durante a semana para chegar depois à sexta-feira ou ao sábado para ver quais são aqueles que têm melhores condições para fazer aquela determinada prova. Abrimos a garganta para ver se está a respirar bem, se tem as carnes rosadas, há diversos factores. As pessoas dizem que há diversos segredos que os columbófilos têm para saber se os pombos estão em condições ou não. Nós aperfeiçoamo-nos e afeiçoamo-nos a eles mas tentamos ir ao máximo, até aos 100 por cento", sentencia Mauro Aniceto.

Portugal a ganhar espaço internacional na columbofilia

Com 33 anos de experiência na área da columbofilia, Paulo Domingos tem visto a evolução da modalidade com expectativa. A recente conquista de Portugal na 36.ª Olimpíada Columbófila na Polónia é sinal de que algo está a ser bem feito apesar da natural aversão dos portugueses aos pombos de rua, ou 'ratos dos ares'.

"As pessoas estão habituadas a ver os pombos de rua, ou os ratos dos ares, e ao estrago que provocam e depois a primeira reação é de repulsa para quem não está dentro disto. E têm uma reação de repúdio. Mas depois quando tomam contato por perto parece que mudam essa opinião", começa por dizer Paulo Domingos.

Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal
Columbofilia: Pombos portugueses já trazem ouro para Portugal créditos: D.R.

"Portugal tem conseguido nos últimos anos evoluir, mas os melhores pombos e o poder económico não está para o lado de Portugal. Atualmente os chineses não dão hipótese neste campo. Os alemães também gastam bem, mas Portugal está a crescer e temos tido bons resultados internacionais", frisou o columbófilo de 47 anos antes de revelar que Portugal esteve perto de receber as próximas olimpíadas.

"Nós até nos candidatámos a organizar as próximas olimpíadas em 2023. Perdemos por uma unha negra para a Holanda. Eles tiveram 14 votos, nós 12, a China 5 e a Inglaterra 2. Se tivéssemos ganho teria sido em parceria com o distrito de Lisboa e seria no Pavilhão Atlântico", sentenciou Paulo Domingos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.