O selecionador nacional de judo, Pedro Soares, disse hoje que os grandes objetivos de Portugal passam pelos Campeonatos da Europa, a realizar em abril, em Lisboa, e pelos Jogos Olímpicos de Tóquio, no próximo verão.

Para o técnico, que falava aos jornalistas em Cernache, Coimbra, onde decorre a preparação da equipa, uma boa prestação nas duas competições passa pela conquista de medalhas.

"Dada a complexidade do judo, muitas vezes ficar em quinto lugar ou conseguir uma medalha é uma distância quase inexistente. Não trazer medalhas não significa que tenhamos feito uma péssima prestação, mas trazer medalhas é inquestionavelmente uma ótima prestação", sublinhou.

Segundo Pedro Soares, Portugal tem "a responsabilidade, o dever e a obrigação" de realizar uma boa prestação nos Europeus, a decorrer em Lisboa, de 16 a 18 de abril, "por ser em casa".

Para alguns atletas, refere o selecionador, "é mais uma possibilidade de poderem evoluírem no ‘ranking' e serem cabeças de série nos Jogos e para outros, que estão com a classificação à mercê, a hipótese de poderem validá-la, terem um bom resultado e chegarem-se um pouco mais à frente".

"Para os atletas mais jovens, representa uma oportunidade para competirem numa prova desta dimensão", frisou.

Nos Jogos Olímpicos, "a prova das provas", Pedro Soares diz que é a competição para a qual a seleção trabalha, em termos de planeamento, todos os dias.

"Toda a preparação que temos vindo a fazer há oito ou nove meses em Coimbra tem como grande objetivo os Jogos Olímpicos", enfatizou o selecionador nacional.

O técnico considera que os judocas estão preparados para bons resultados, dado que "grande parte deles são reincidentes, não é a sua primeira Olimpíada, e são atletas medalhados em campeonatos da Europa, do Mundo e Jogos Olímpicos".

"Não é nenhuma novidade para eles. Um atleta deste nível, com a experiência que têm e com tantas competições e combates realizados, está preparado para uns Jogos Olímpicos", garante Pedro Soares.

Nos próximos Jogos Olímpicos, Portugal tem a possibilidade de competir com a maior delegação de sempre, caso consiga até final do apuramento, em 28 de junho, manter os oito judocas em lugares elegíveis.

Na ‘corrida' e em zona de apuramento para Tóquio2020 estão Catarina Costa (-48 kg), Joana Ramos (-52 kg), Telma Monteiro (-57 kg), Bárbara Timo (-70 kg), Patrícia Sampaio (-78 kg), Rochele Nunes (+78 kg), Anri Egutidze (-81 kg) e Jorge Fonseca (-100 kg).

Maria Siderot (-48 kg) está igualmente em posição elegível, na 25.ª posição, mas está ‘tapada', pois cada país só pode colocar uma judoca em competição por cada categoria de peso, por Catarina Costa, mais bem classificada, em oitavo.

Em masculinos, Portugal procura ainda na qualificação colocar um terceiro judoca masculino em zona de apuramento, o que permitiria à seleção lusa competir por equipas, com três femininos e três masculinos.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.