Momento fantástico para o desporto português. O piloto Miguel Oliveira venceu o Grande Prémio de Estíria em MotoGP,  no circuito de Spielberg. É  a primeira vitória de sempre de um português em Moto GP. Esta é a vitória 50 do português em motociclismo. É o 112.º piloto a subir a um pódio de MotoGP, naquela que foi a corrida 900 da prova rainha do motociclismo.

O português cumpriu as 12 voltas em falta em 16.56,025 minutos, deixando o australiano Jack Miller (Ducati) a 316 milésimos de segundo e o espanhol Pol Espargaró (KTM), terceiro, a 540 milésimos.

A última volta foi imprópria para cardíacos, com o português a conseguir ultrapassar dois pilotos na última curva, para vencer a corrida. Fantástico o 'Falcão'.

O português da KTM Tech 3 tinha sido 8.º na qualificação, mas ganhou uma posição na grelha, já que o francês Johann Zarco, penalizado por condução irresponsável, saiu da boxe.

O 'Falcão' de Almada partiu do 7.º posto e galgou muitas posições depois do retomar da prova, interrompida à 12.ª volta quando Yamaha de Maverick Viñalez ficou sem travões e obrigou o espanhol a saltar da moto. O piloto teve um ato de coragem (arrepiante) a saltar da moto que seguia a quase 280 km/hora. A mesma incendiou-se de seguida, assim que bateu nas barreiras de proteção, obrigando a direção de corrida a mostrar bandeira vermelha e a interromper a prova para que a barreira fosse reparada.

No retomar da prova, o português de Almada teve uma excelente partida e saltou logo para a 4.ª posição. Ainda perdeu a posição para Brad Binder mas aproveitou um erro sul-africano para recuperar o quarto posto.

Miguel Oliveira ultrapassou Pol Espargaró e subiu ao terceiro posto, lugar que foi aguentando com unhas e dentes, face às investidas da Ducati de Andrea Dovizioso.

Miguel Oliveira encetou, então, uma perseguição paciente aos dois da frente, Espargaró e Miller, chegando, mesmo, a fazer a melhor volta da corrida, em 1.23,920 minutos, registo batido por 43 milésimos pelo espanhol da KTM na volta seguinte.

O português, que cumpria na Estíria o 150.º Grande Prémio da carreira, manteve sempre uma atitude expectante, confiante na capacidade já evidenciada por Espargaró de cometer erros em momentos chave das corridas.

E, de facto, a última volta mostrou a inteligência de Oliveira, que chegou à última curva na terceira posição. Nessa altura, Espargaró e Miller já tinham trocado de posições, com o espanhol na frente à chegada à curva decisiva.

Mas o australiano tentou o ataque final, metendo por dentro da curva. No entanto, ao forçar a travagem fora da trajetória ideal, acabou por alargar demasiado, saindo de pista e levando consigo a KTM de Espargaró, sem que nenhum deles tivesse caído.

Estava aberto o caminho para a primeira de um português na categoria rainha do Mundial de motociclismo de velocidade, a 13.ª da carreira de Miguel Oliveira.

Antes do piloto de Almada, apenas Felisberto Teixeira tinha participado numa prova da categoria, na altura para motas de 500cc a dois tempos, no Grande Prémio de Espanha, em 1998.

Antes de se ouvir 'A Portuguesa' em Spielberg, o português não conteve as emoções na hora de falar da sua primeira vitória de sempre em Moto GP.

"Queria dizer muita coisa mas não consigo. Quero agradecer aos que acreditaram em mim, a começar pela minha família, a minha equipa, patrocinadores e os portugueses. Realmente somos mesmo os melhores", comentou.

"Obrigado pelo apoio! Fizemos história, pelo país! Estou muito feliz por ter sido aqui, em casa da KTM, obrigado a todos", terminou.

Miller, que terminou no segundo lugar, felicitou Oliveira, destacando "a importância da vitória do Miguel para Portugal".

Além da vitória e dos pontos, o português leva para casa um carro de gama alta.

Miguel Oliveira, que cumpre a segunda temporada em MotoGP, tinha como melhor resultado o sexto lugar no Grande Prémio da República Checa, em Brno, disputado em 09 de agosto último.

Com cinco provas já disputadas, o português foi o quarto vencedor diferente (apenas o francês Fabio Quartararo, em Yamaha, repetiu o feito), ascendendo à nona posição do Mundial de pilotos, com 43 pontos, a 27 do líder, Quartararo, mas a apenas seis da quarta posição, ocupada pelo italiano Andrea Dovizioso (Ducati).

Miguel Oliveira foi o 112.º vencedor diferente na classe rainha desde o início do campeonato do mundo, em 1949.

A próxima etapa do Mundial de MotoGP, que vai terminar em Portimão, em 22 de novembro, está marcada para 13 de setembro, em Misano, em Itália.

*Artigo atualizado

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.