O tenista sérvio Novak Djokovic, número um mundial, não será deportado da Austrália até segunda-feira, disse hoje em tribunal Christopher Tran, um advogado do governo na quinta-feira.

Djokovic chegou ao aeroporto da cidade de Melbourne na quarta-feira à noite com uma isenção médica que lhe permitiria defender o seu título no Open da Austrália, mas os funcionários de controlo fronteiriço revogaram o seu visto quando o tenista não conseguiu justificar a autorização e detiveram-no durante várias horas.

Depois de ser enviado para um hotel para cumprir quarentena em Melbourne, à espera de ser deportado, o tenista interpôs uma ação judicial contra a suspensão do seu visto.

Christopher Tran disse posteriormente em tribunal, que já analisou o caso, que o governo não tem planos de deportar o jogador até uma nova audiência marcada para segunda-feira.

Na terça-feira o tenista revelou que lhe tinha sido concedida uma "isenção médica" para fazer a viagem. A federação australiana solicitou o sigilo médico para evitar justificar a renúncia.

Novak Djokovic já se tinha pronunciado em abril de 2020 contra a vacinação obrigatória, que estava prevista na altura para permitir que os torneios fossem retomados.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.