A tenista Francisca Jorge tornou-se hoje tetracampeã nacional, ao derrotar na final Inês Murta, enquanto Nuno Borges conquistou pela primeira vez o título do Campeonato Nacional Absoluto, que decorreu no complexo desportivo do Monte Aventino, no Porto.

Naquela que foi a quarta final consecutiva entre Francisca Jorge e Inês Murta, após os três torneios do Circuito Sénior da Federação Portuguesa de Ténis (FPT), a algarvia não conseguiu evitar a revalidação do título por parte da vimaranense, que, ainda assim, precisou de três ‘sets’ para vencer, pelos parciais de 3-6, 6-1 e 6-3.

“Foi um encontro de muita tensão, sabia ao que vinha, mas não consegui, se calhar, controlar a ansiedade de ser uma final de um Campeonato Nacional. É sempre um título que fica mais marcado e tive um bocadinho de receio de jogar no primeiro ‘set’, em que ela foi superior e teve mérito de concretizar”, defendeu.

Apesar de reconhecer não ter jogado o seu melhor na primeira partida, a jovem minhota admitiu ter sentido “mais pressão de querer lutar pelo título, ganhar o encontro.”

“E acho que tive mérito nisso. Não joguei perfeito, acho que nunca se pode jogar perfeito, mas no geral estive bem”, frisou.

Graças ao triunfo, Francisca Jorge, que havia perdido as finais no Lisboa Racket Centre e no Tennis Club da Figueira da Foz frente a Inês Murta, soma assim, aos 20 anos, quatro títulos nacionais, averbados em 2017, 2018, 2019 e 2020.

“A idade é só um número e não posso dizer que me sinto realizada, porque há muito caminho a percorrer, mas acho que é sempre importante estas finais. Dão outra motivação, para querer continuar a trabalhar, evoluir, competir e, com 20 anos, ainda sou uma criança e, às vezes, mostro isso no campo. Independentemente da idade, tenho de valorizar o trabalho que tenho vindo a fazer”, finalizou a campeã nacional.

Na competição masculina, e num encontro entre estreantes em finais, Nuno Borges confirmou o seu bom momento de forma, depois das vitórias na Vale do Lobo Tennis Academy e no Tennis Club da Figueira da Foz, batendo Tiago Cação em apenas dois ‘sets’, por 6-2 e 6-3, em uma hora e 12 minutos.

“É muito especial ganhar aqui no Porto. Foi um torneio tão sofrido, de tão quente que foi, embora hoje tenha estado mais acessível, e estava tão cansado e cheio de dores que significa muito para mim poder ganhar aqui. Estou muito feliz”, confessou o jovem, de 23 anos.

A jogar perto de casa, o que poderá ter sido uma vantagem, o tenista da Maia assegurou, contudo, que estava determinado a lutar pelo título nacional, fosse onde fosse o torneio organizado pela Federação Portuguesa de Ténis e que distribuiu 20 mil euros em prémios monetários.

“Estar perto de casa, se calhar, ajuda-me a pensar um dia de cada vez, ter aquela vontade de acordar de manhã e voltar a atacar o dia, mas, mesmo que fosse noutro sítio, estava disposto a dar tudo por tudo. Mas estou mais feliz por ter sido em casa com a minha família e amigos a assistir”, sublinhou Nuno Borges.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.