O tenista português Rui Machado garantiu hoje que sai com a sensação de dever cumprido do Estoril Open, depois de ter deixado tudo em campo na derrota na segunda ronda com o croata Borna Coric.

“Não sei se consigo considerar das melhores partidas... quando se perde é difícil. Não tenho bem a perceção. Fiquei com a sensação de que com outro adversário podia ter terminado os pontos duas ou três vezes. Saio com a sensação de dever cumprido, encaixei bem no lema do torneio, de deixar tudo em campo. Saio orgulhoso por ter respondido desta maneira um convite da organização. Não podia deixar de dar tudo, porque não sei fazer de outra maneira”, disse o algarvio, que foi recebido com palmas na conferência de imprensa.

O número 227 do mundo considerou que esteve a bom nível no primeiro ‘set’, mas que a exigência física a que foi sujeito fez com que não estivesse muito fresco para enfrentar os pontos importantes, quando servia com 5-4 contra.

“No segundo ‘set’ voltei a jogar bem, foi um pouco o fator casa. Estive por baixo e nem sempre consegui concretizar à primeira, mas acabei por vencer. No terceiro ‘set’, as coisas não correram muito bem no princípio e o resultado fugiu para o lado dele. Houve dois ou três pontos que se tivessem caído para o meu lado poderiam ter tornado isto diferente. Cansado estava, mas se estivesse em vantagem…”, analisou.

Sobre o seu adversário, que venceu por 6-4, 5-7 e 6-1, o 227.º jogador mundial confessou que viu alguns vídeos – “retirei as informações muito rápido, porque aquilo eram pontos incríveis” – e que hoje comprovou que Coric é muito consistente e que poderá estar no ‘top-10’ dentro de dois, três anos. “Número um é outra conversa”, completou.

“Perdi com um grande jogador, mas o [Nicolas] Almagro é um grande candidato, o [Nick] Kyrgios está a jogar muito bem, mas não fiquei com a sensação que perdi com o futuro campeão”, assumiu.

Muito apoiado pelo público, Machado confessou que sente que consegue “conectar bem” com a audiência.

“Se calhar os outros tenistas dizem o mesmo, mas quando olho para cima vejo que as pessoas estão a sentir. Hoje ao 5-0 quando já praticamente tudo estava decidido ninguém se levantou e isso diz bem o que foi o encontro. E eu quis dar uma resposta, lutar até ao fim, porque as pessoas mereciam”, concluiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.