A cabeça, o espírito e os pensamentos do Flamengo estão todos voltados para Lima, capital do Peru, palco da final da Taça Libertadores, no próximo sábado, dia 23, frente ao River Plate, atual campeão da América do Sul. Mas ainda há um Brasileirão por conquistar, e frente ao Grêmio, em Porto Alegre, pela 33ª jornada, Jorge Jesus fez algo inédito desde que aterrou ao Rio de Janeiro no meio do ano: poupou quase todos os titulares. Frente aos gaúchos, apenas três em campo, do onze que deve alinhar frente aos argentinos na grande decisão, o guarda-redes Diego Alves, o médio Arrascaeta e o avançado Gabriel. E a primeira parte do encontro foi bastante movimentada, mas com poucas ocasiões de golo. Gabriel, a rematar por cima, e Cortez, lateral ex-Benfica, a ter a melhor oportunidade para o Grêmio. Até que Gabriel efetuou um centro e a bola desviou no braço do veteraníssimo Leo Moura. Penálti que o próprio avançado cobrou e converteu, marcando o golo de número 22 no Brasileirão’2019, melhor marcado isolado do campeonato.

O Grêmio, longe da disputa pelo título e tendo como principal objetivo terminar entre os quatro primeiros colocados, garantindo assim vaga na próxima Libertadores, buscou o ataque na segunda parte, mas a verdade é, que excetuando o talentoso Everton, os demais homens de frente de Renato Gaúcho não parecem estar ao nível do veloz e habilidoso avançado gremista. Na melhor oportunidade na segunda parte, o remate de Pepê foi defendido pelo guardião rubro-negro. A principal nota da etapa final foi mesmo a expulsão de Gabriel, após ásperas reclamações com o árbitro. Com temperamento difícil e sempre pronto a explodir, nem as broncas e os gritos de JJ parecem mudar o comportamento do camisola 9 do Flamengo, que segue emprestado aos cariocas pelo Inter de Milão até final do ano. Sem grandes emoções ao final, a vitória por 1 a 0 foi a de número 25 do Flamengo neste Brasilerão, chegando aos 81 pontos, abrindo ainda mais vantagem sobre o Palmeiras, que mais uma vez decepcionou quem ainda acreditava numa reação da equipa paulista.

Jogando em Salvador, frente a uma organizada equipa do Bahia, o Palmeiras buscava não distanciar-se ainda mais do Flamengo, mas com pobres ideias táticas e poucos momentos de inspiração, o Verdão foi dominado na primeira parte, e o Bahia foi quem marcou o primeiro golo do encontro, já nos acréscimos, no livre cobrado por Arthur Caike. Com a desvantagem no marcador e a ver a esperança do título desaparecer com a derrota, o Palmeiras chegou a igualdade ao minuto 71, no forte remate do avançado colombiano Borja. Mas o poderio ofensivo do Palmeiras deixou a desejar e o empate a uma bola fez a diferença entre paulistas e cariocas na briga pela taça aumentar para praticamente inalcançáveis 13 pontos.

Ainda a ressaltar na jornada o empate também por uma bola no clássico entre Santos e São Paulo, com golos do uruguaio Sánchez, de penálti, para o Santos, e na segunda parte, a igualdade restabelecida pelo lateral Daniel Alves. Duas equipas que pareciam lutar pelo título até as jornadas finais, mas que sofreram mais acidentes de percurso do que o permitido para chegar ao título. Na próxima ronda, a 34ª do Brasileirão, o Palmeiras recebe o Grêmio, enquanto o Flamengo, que antecipou seu jogo na última semana, no empate em 4 a 4 contra o Vasco da Gama, pode celebrar o título em caso de empate ou derrota dos palmeirenses. Na verdade, o próximo fim de semana pode ser o mais inesquecível da história para o Flamengo, que tem a chance de conquistar a América pela segunda vez e pode, de quebra, ficar com o título brasileiro no dia seguinte. A conquista da Libertadores num sábado e o do Brasileirão no domingo, seria mais que um sonho para a imensa torcida rubro-negra. A semana no Rio de Janeiro será de ansiedade até o apito inicial do jogo em Lima.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.