Centenas de adeptos e alguns jogadores do Hannover 96, cuja camisola Enke ainda tinha envergado no sábado, num jogo em casa da Bundesliga contra o Hamburgo, reuniram-se até de madrugada junto ao estádio para uma cerimónia fúnebre, colocando velas e flores no chão em memória do seu ídolo. "Estamos muitos tristes e as nossas condolências vão para a mulher a a família de Robert Enke", disse o presidente da Federação Alemã de Futebol, Theo Zwanziger, em comunicado de imprensa.

O director desportivo da selecção nacional, Oliver Bierhoff, afirmou também que os jogadores, toda equipa técnica e restantes funcionários "estão chocados, sem palavras", e anunciou o cancelamento do treino de hoje, em Bona, admitindo ainda que o jogo particular contra o Chile, no sábado, em Colónia, está em dúvida.

Frank Beckenbauer, destacada figura do futebol germânico, afirmou sentir-se "imensamente triste" e disse que "quando se recebe uma notícia destas, todos os outros problemas parecem muito pequeninos".

Enke, 32 anos, suicidou-se na segunda-feira à noite, perto da sua casa em Hannover, lançando-se contra um comboio, confirmou entretanto o seu amigo e empresário Joerg Neblung. "Posso confirmar que se tratou de suicídio, Robert matou-se pouco antes das seis horas da tarde", disse Neblung à imprensa alemã. Os pormenores da tragédia serão divulgados hoje em conferência de imprensa, acrescentou Neblung.

Um porta-voz da polícia de Hannover confirmou que Enke pôs o seu carro a alguns metros da via-férrea e caminhou depois centenas de metros ao longo dos trilhos, até ser colhido por um comboio regional, tendo tido morte imediata. "Tudo indica que se tratou de suicídio", disse a mesma fonte. O guarda-redes da selecção alemã deixa mulher e uma filha de oito meses que o casal tinha adoptado em Maio.

Em 2006, a família Enke sofreu um rude golpe com a morte da filha Lara, de 2 anos, que tinha nascido com uma malformação cardíaca e foi submetida sem êxito a várias operações. Enke tinha contraído um vírus que nos últimos meses o afastou dos relvados, e não disputou os últimos quatro jogos pela selecção, depois de somar oito internacionalizações.

Regressou recentemente e parecia recuperado, mas não tinha sido convocado para os particulares da equipa nacional contra o Chile e a Costa do Marfim, no sábado e na quarta-feira. O seleccionador nacional, Joachim Low, deixou claro, porém, que contava com ele para o Mundial de 2010 na África do Sul.

O presidente do Hannover 96, Martin Kind, garantiu entretanto que o suicídio do guarda-redes "não teve nada a ver com o futebol" e a televisão pública ARD disse que Enke tinha problemas privados, sem adiantar mais pormenores.

Enke nasceu em Jena, na ex-RDA, estreou-se na Bundesliga com 18 anos, com a camisola do Moenchengladbach, ganhou os seus galardões no Benfica, mais tarde, sob o comando do alemão Jupp Heynkes, e foi convocado pela primeira vez em 1999 para os AA alemães. Transferiu-se depois para o Barcelona, em 2002, mas não conseguiu impor-se, saindo para o Fenerbace de Istambul, onde teve ainda pior sorte. Ofendido pelos adeptos, renunciou ao dinheiro a que tinha direito e terminou o contrato com o clube turco. Depois de uma breve passagem pelos espanhóis do Tenerife, regressou à Alemanha, ao serviço do Hannover 96, onde todos o admiravam e se tornou titular da selecção nacional.

"Estou muito abalado, vamos tentar apoiar a mulher e a filha neste momento difícil", disse o director desportivo do seu último clube, Joerg Schmmadke.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.