Com o triunfo desta tarde sobre o Bravos do Maquis (2-1), o Recreativo da Caála relançou a luta pela permanência na prova, ascendendo da última para a penúltima posição.

Sedento de pontos, os donos de casa tiveram de aplicar-se a fundo para superar um adversário que tudo fez para não perder o jogo, pontuável para a 27ª ronda.

Os primeiros 45 minutos foram de grande equilíbrio, com as duas equipas a procurar explorar às fragilidades para inaugurar o marcador, facto que não aconteceu dada a solidez nas acções defensivas.

Ainda assim, os “caalenses” criaram duas situações de perigo, que deveriam ter resultado em golos, aos 26 e 36 minutos, caso Deco e Makusa fossem mais lestos na abordagem dos lances.

No tempo de compensação, antes do intervalo, os “maquisardes”, por intermédio de Careca, tiveram a melhor oportunidade de golo, não fosse a pronta intervenção do guarda-redes Beny.

Depois do intervalo, o Caála reapareceu mais dominante, tendo, em alguns momentos, remetido o adversário na sua área.

Fruto do ascendente em campo, aos 49 minutos os donos de casa desfizeram a igualdade, por intermédio de Makusa, após recuperar a bola dentro da área adversária.

Dois minutos depois, o Bravos do Maquis restabeleceu a igualdade. Careca converteu uma penalidade defendida pelo guarda-redes Beny, que permitiu a recarga de Zeca para o golo.

Apesar do golo sofrido, os donos de casa continuaram a mandar no jogo. Como consequência voltaram a colocar-se em vantagem quatro minutos depois (aos 55), a mercê de um livre directo, de fora da área, cobrado por Mendinho.

Daí em diante, os donos de casa foram gerindo a vantagem, ante um adversário com pouco vigor, que ia se resignando do ataque.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.