A UEFA considerou hoje ser impossível detetar se a evolução epidémica em Portugal se deveu à final da Liga dos Campeões de futebol, no Porto, pois decorreu na mesma altura da permissão de entrada a turistas britânicos.

Em conferência de imprensa, na sede do organismo que regula o futebol europeu, acerca das medidas de mitigação da pandemia de covid-19 implementadas durante o Euro2020, o diretor médico do evento, Zoran Bahtijarevic, entendeu que “é muito fácil apontar o dedo à final” entre os ingleses do Chelsea e do Manchester City, no Porto.

“Na mesma semana, Portugal começou a abrir [as fronteiras] para turistas britânicos. É muito fácil apontar o dedo à final, mas, pelo meu conhecimento, todos os fãs que viajaram desde o Reino Unido fizeram teste PCR e só entraram no estádio com isso. Não sei quantos casos estão diretamente relacionados, pois muita coisa aconteceu ao mesmo tempo e é impossível saber a que se deve”, afirmou o croata aos jornalistas.

Na final da Liga dos Campeões da época 2020/21, disputada em 29 de maio no Estádio do Dragão, no Porto, o Chelsea sagrou-se pela segunda vez campeão europeu de futebol, ao vencer por 1-0 o Manchester City.

A cidade do Porto foi escolhida para substituir Istambul, como ‘palco’ da final da ‘Champions’, no seguimento das dificuldades intransponíveis de viagens dos adeptos ingleses, tendo em conta que a Turquia integrava a ‘lista vermelha’ do Reino Unido, dadas as restrições impostas face à pandemia de covid-19.

Milhares de adeptos ingleses rumaram ao Porto para assistir à final da mais importante competição europeia de clubes, no Estádio do Dragão, numa afluência que causou uma forte presença em locais como a Ribeira, onde se registaram desacatos, além de não terem sido cumpridas regras como o uso de máscara ou o distanciamento social.

Após o final do jogo, dois adeptos ingleses foram detidos pela PSP por terem agredido agentes policiais, o que fez com que um dos elementos das forças de segurança tivesse de ser suturado na face, no Hospital Santo António.

No fim do jogo, cerca de 50 aviões com adeptos das duas equipas partiram do aeroporto Sá Carneiro rumo a Londres e a Manchester.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.884.538 vítimas mortais em todo o mundo, resultantes de mais de 179 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.077 pessoas e foram confirmados 868.323 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.