"Foi uma noite dura. Ficámos sem esperança muito rapidamente. O Porto foi uma equipa muito física, sem pressão, porque não tinha nada a perder. Tivemos duas ocasiões, mas na segunda parte ficámos totalmente sem esperança", admitiu o treinador do Atlético de Madrid.

"Houve dois golos muito cedo e isso deixou tudo muito complicado", afirmou Quique Flores, que falava aos jornalistas após a vitória do FC Porto no Estádio Vicente Calderón, na capital espanhola, em jogo da sexta e última jornada do Grupo D.

A partida, dominada claramente pelo Porto desde o inicio, voltou a demonstrar as fraquezas da equipa madrilena, em 13.º lugar na Liga espanhola e que continua sem conseguir agradar aos adeptos, que começaram a sair do estádio logo após o terceiro golo portista.

Apesar da derrota, o Atlético de Madrid conseguiu salvar a passagem para a Liga Europa, mercê do empate 2-2 entre o Chelsea e o APOEL, com o qual terminou em igualdade pontual, detendo vantagem no confronto directo graças ao golo marcado no empate em Nicósia.

Questionado sobre essa passagem, Quique Flores disse que não esteve a acompanhar os resultados dos outros encontros, explicando que o Atlético de Madrid tratou o jogo com o FC Porto como tendo "algum risco".

"Tivemos que ter algumas precauções. Tomámos um risco medido", disse.

À claque madrilena Quique mostrou-se convicto na capacidade da sua equipa "dar muito mais" e de continuar a crescer na Liga espanhola.

Relativamente à Liga Europa, e questionado sobre a possibilidade de vir a defrontar o Benfica, clube que treinou na época passada, Quique Flores disse que "seria magnifico voltar à Luz".

"Tenho boas recordações do Benfica. Mas se fosse possível, preferia não encontrar já o Benfica. Esperemos que o Benfica tenha outro adversário e nós também e passemos os dois", disse.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.