"Queremos chegar ao fim do ano em três competições e isso quer dizer que precisamos de somar pontos, seja para continuar na Liga dos Campeões ou disputar a Liga Europa", disse o antigo técnico do Benfica, que agora lidera o conjunto "colchonero", rival do FC Porto no Grupo D da Liga milionária.

Quique Flores garante que a sua equipa é "ambiciosa, mas também realista" e admite que um triunfo frente aos ingleses, seguido de nova vitoria no fim-de-semana na Liga, frente ao Real Madrid, constituiria uma "forte injecção de moral" no grupo de trabalho, que integra Simão.

"O jogo com o Chelsea pode dar-nos muitíssimo ou tirar-nos pouco", disse o técnico do terceiro classificado do grupo, com apenas um ponto, em dois jogos, a par do APOEL, enquanto FC Porto tem seis e os ingleses nove.

Os londrinos são classificados como uma equipa de "muitas virtudes": "É uma equipa difícil por tudo. Tem um futebol directo, curto, entre linhas, pelos extremos, e ainda por cima é aguerrida defensivamente".

"Para lhes ganharmos é preciso estar a 100 por cento na defesa, sermos honrados no nosso trabalho, representar bem este clube e, juntamente com o público, criar-lhes uma atmosfera complicada", frisou.

O treinador considera que dois triunfos consecutivos fariam com que o Atlético de Madrid voltasse a ter opções de sucesso em ambas as competições: "Temos de ser optimistas, positivos, ter a grandeza que este tipo de jogos exige".

"A motivação individual de cada futebolista deve sobrepor-se ao actual momento emocional. Vamos disputar jogos em que os adeptos devem deixar a pele em campo, tal como nós, se quisermos ter alguma possibilidade de êxito", vincou.

Quique Flores enalteceu ainda a qualidade dos seus futebolistas e manifestou o desejo de os ver exibir esse valor nos melhores palcos da Europa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.