O Benfica ultrapassou 17 das 19 eliminatórias que começou com triunfos por dois golos de diferença, a vantagem que defende quinta-feira na Alemanha, depois do 4-2 na receção ao Eintracht Frankfurt.

Para chegar às meias-finais da Liga Europa, os 'encarnados' só não podem repetir o confronto de 1968/69 com o Ajax, curiosamente iniciado com um triunfo em Amesterdão por 3-1, e o de 1970/71 com o Vorwarts, da ex-República Democrática Alemã.

Nesses dois 'duelos', o Benfica não caiu, porém, nos 90 minutos, sendo necessário um terceiro jogo face aos holandeses (0-3 após prolongamento, em Paris) e os penáltis face aos alemães de Leste (3-5, depois dos alemães anularem o 2-0 da Luz).

Em 1968/69, os comandados do brasileiro Otto Glória iniciaram os quartos de final da Taça dos Campeões de forma espetacular, com um triunfo no reduto do Ajax por 3-1, selado com tentos de Jacinto Santos, de penálti, José Torres e José Augusto.

Inge Danielsoon apontou o tento dos holandeses em Amesterdão e inaugurou o marcador da Luz, onde 'brilhou' Johan Cruyff, que colocou os forasteiros a vencer por 3-0 com um 'bis', para, aos 70 minutos, Torres voltar a igualar a eliminatória.

A decisão foi adiada para um terceiro jogo, que se realizou em Paris e chegou ao final dos 90 minutos com uma igualdade a zero. Mas, no prolongamento, só deu Ajax, que ganhou por 3-0, com mais um de Cruyff e dois de Danielsson.

Dois anos volvidos, o Benfica voltou a desperdiçar uma vantagem de dois golos, desta vez um 2-0, conseguido em casa, na primeira mão da segunda eliminatória da Taça das Taças, perante o Vorwarts, graças a tentos do 'rei' Eusébio e de Diamantino Costa.

Em Berlim, os germânicos conseguiram, porém, forçar o prolongamento, com golos de Horst Wruck e Otto Frassdorf, e, depois, impuseram-se na 'lotaria' dos penáltis, por 5-3, por 'culpa' de Vítor Martins, o único que falhou.

Os embates com Ajax e Vorwarts, de há quase meio século, são, porém, exceções, já que o Benfica aproveitou as restantes 17 vantagens de dois conseguidas na primeira mão, sendo que, quando venceu por mais de dois (21 vezes) também passou sempre.

Depois do embate com o conjunto da ex-RDA, os 'encarnados' já estiveram nessa situação em 12 ocasiões, graças a triunfos na primeira mão por 2-0 (sete vezes) e 3-1 (cinco), e conseguiram sempre seguir em frente.

Na segunda mão dessas eliminatórias, o Benfica ganhou seis vezes, empatou quatro e só perdeu dois, ambos por 1-0, com os italianos da Sampdoria, em 1985/86, e os belgas do Anderlecht, em 1987/88, ambos após 2-0 na Luz.

A última vez que as 'águias' tinham defendido um triunfo por dois golos na primeira mão aconteceu em 2013/14, nos oitavos de final da Liga Europa, face aos ingleses do Tottenham.

Os 'encarnados' triunfaram por 3-1 em Londres, com um golo do internacional espanhol Rodrigo, agora no Valência, e um 'bis' do capitão Luisão, para, na Luz, empatarem a dois, com um susto pelo meio, quando os 'spurs' viraram de 0-1 para 2-1.

Na época anterior, nos quartos de final da mesma competição, o Benfica partiu para Inglaterra com dois tentos de avanço, ao bater a Luz o Newcastle por 3-1, com golos de Rodrigo, Lima e Cardozo, contra um, a abrir, de Papiss Cissé.

O avançado senegalês voltou a faturar em casa, colocando os ingleses a um tento das meias-finais, mas, já nos descontos, aos 90+2 minutos, foi o Benfica que marcou, empatando o encontro por intermédio de Salvio.

Na quinta-feira, na Alemanha, o Benfica defende dois tentos de vantagem frente ao Eintracht Frankfurt, depois do triunfo caseiro por 4-2, selado com um 'hat-trick' de João Félix e um tento de Rúben Dias, na primeira mão dos 'quartos' da Liga Europa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.