A Federação Iraniana de Futebol pediu no domingo (27) a demissão do alemão Jurgen Klinsmann do grupo de estudos técnicos da FIFA após o antigo jogador acusar a seleção do Irão de influenciar o árbitro na vitória por 2-0 sobre o País de Gales, na sexta-feira (25).

"Além de ter feito várias considerações infelizes sobre a seleção iraniana e a sua equipa técnica, Klinsmann fez julgamentos sobre a cultura iraniana (…) a Federação Iraniana de Futebol pediu esclarecimentos à FIFA e exigiu um pedido de desculpas e a demissão de Klinsmann do grupo de estudos técnicos da FIFA", escreveu o órgão iraniano, num comunicado publicado no domingo.

Klinsmann tinha criticado a seleção iraniana, em declarações à BBC, após o triunfo dos iranianos sobre o País de Gales por 2-0, no Mundial2022.

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

"O Carlos encaixa muito bem na seleção do Irão e na sua cultura. Não é uma coincidência. É tudo de propósito. Faz parte da cultura deles, é assim que jogam. Andam a 'trabalhar' o árbitro. Basta ver o banco, a forma como saltavam em cima do assistente e do quarto árbitro, sempre a dar-lhes na cabeça. Há muita coisa que não se vê. Esta é a cultura deles, tentam tirar-te o foco. Fazem-te perder a concentração e isso é algo importante. E aí tiram-te do jogo. Teria sido diferente com outro árbitro. Eles tinham cinco pessoas à volta do árbitro do jogo e isso não jogou a favor do País de Gales", disse à BBC o antigo selecionador da Alemanha e dos Estados Unidos da América, adversário do Irão na terceira ronda da fase de grupos, na na próxima terça-feira (29).

Carlos Queiroz deu a resposta, numa longa mensagem publicada na rede social Instagram.

"Mesmo não me conhecendo pessoalmente, questionas o meu carácter com um típico juízo preconceituoso de superioridade. Por muito que eu possa respeitar o que fizeste dentro do campo, essas observações sobre a cultura iraniana, a seleção iraniana e os meus Jogadores são uma vergonha para o futebol. Ninguém pode ferir a nossa integridade se não estiver ao nosso nível, é claro", começou por dizer.

"Gostaríamos de o convidar para vir ao nosso centro de treinos socializar com os jogadores iranianos e aprender com eles sobre o país, o povo do Irão, os poetas e a arte, a álgebra, toda a milenar cultura persa… E também ouvir dos nossos jogadores o quanto eles amam e respeitam o futebol", pode-se ler ainda.

Queiroz diz que compreende o não apoio de Klinsmann, num norte-americano/alemão.

"Apesar das vossas observações ultrajantes sobre a BBC, tentando minar os nossos esforços, sacrifícios e habilidades, prometemos-vos que não produziremos quaisquer julgamentos sobre a vossa cultura, raízes e antecedentes e que serão sempre bem-vindos à nossa família", escreveu ainda o português que comanda o Irão.

O português que treina o Irão também tinha pedido a demissão de Jurgen Klinsmann do Grupo de Estudos Técnicos do Qatar 2022

"Ao mesmo tempo, queremos apenas seguir com toda a atenção qual será a decisão da FIFA relativamente à sua posição como membro do Grupo de Estudos Técnicos do Qatar 2022. Porque, obviamente, esperamos que se demita antes da sua visita ao nosso centro de treinos", finalizou.

"Nunca critiquei o Carlos"

O Grupo de Estudos Técnicos da FIFA (TSG) é responsável por analisar todos os jogos do Mundial de 2022 e relatar as principais tendências de jogo e táticas.

A federação iraniana recordou que "como alemão, Klinsmann não será julgado pelo episódio mais vergonhoso da história de um Mundial de futebol (…) quando a Alemanha Ocidental e a Áustria fabricaram um resultado".

Horas mais tarde, o antigo avançado retratou-se, em declarações à BBC.

"Nunca critiquei o Carlos (Queiroz) nem o banco de suplentes iraniano. Alguns até pensaram que eu estava a criticar o árbitro porque ele não fez nada sobre o comportamento do banco. Tudo o que descrevi foi a sua maneira emocional de fazer as coisas, o que é admirável de certa forma. Todo o banco vive o jogo. Eles saltam e o Carlos é um treinador muito emotivo, está sempre atento para tentar dar energia aos seus jogadores", finalizou.

O Irão ocupa a segunda posição no Grupo B do Mundial e jogará na próxima terça-feira contra os Estados Unidos da América, um dos duelos decisivos não só para garantir quem se se apura para os oitavos de final, mas também pelo histórico político e social entre os dois países.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.