Portugal somou a quinta vitória em seis jogos no Grupo A da qualificação europeia para o Campeonato do Mundo de 2022 ao triunfar por no Azerbaijão. Sem Cristiano Ronaldo, foram Bernardo Silva, André Silva e Diogo Jota a marcar os golos, ainda no primeiro tempo.

Com uma exibição segura e tranquila, a Seleção das Quinas chegou ao intervalo já a vencer por 2-0 e deu-se ao luxo de desperdiçar várias ocasiões de golo ao longo do encontro, acabando a vitória por pecar por escassa, tal foi o domínio português.

Início dominador, mas com pouco perigo

Fernando Santos contou com os recuperados Pepe e João Palhinha no 'onze' e, com Ronaldo de fora, por castigo,  apostou em Diogo Jota, Bernardo Silva e André Silva para a frente de ataque, com João Moutinho titular no meio-campo.

Portugal entrou a dominar, como seria de esperar, mas ainda assim os lances de perigo escassearam no primeiro quarto de hora, ainda que o Azerbaijão praticamente não tenha conseguido sair do seu meio campo defensivo. Os primeiros avisos só surgiram aos 18 e 21 minutos, por Bernardo Silva e Diogo Jota, mas sem sucesso.

Dois golos de rajada

Ainda assim, perante tanto domínio foi com naturalidade que surgiu o primeiro golo de Portugal (e o segundo, quase logo depois). Estavam decorridos 26 minutos de jogo quando Bruno Fernandes levantou a bola para a grande área adversária, para o segundo poste, onde Bernardo Silva surgiu a rematar, de ângulo apertado, em grande estilo e com muita classe, para o 1-0.

Em desvantagem, o Azerbaijão deu, então, um ar da sua graça e até podia ter marcado quase na resposta, num lance confuso na grande área portuguesa. Mas foi Portugal a chegar ao 2-0, pouco depois. Aos 31 minutos, e novamente com Bruno Fernandes no lance. O médio do Manchester United voltou a cruzar largo para a grande área contrária, desta feita na direção de Diogo Jota, que tocou para André Silva e este, solto de marcação, atirou a contar.

Estava feito o 2-0, resultado com que se chegaria ao intervalo, apesar de o Azerbaijão ter voltado a ficar perto do golo.

Chuva de golo falhados até Diogo Jota fechar a contagem

O domínio de Portugal prosseguiu na segunda parte, e com as ocasiões de golo a avolumarem-se à medida que os minutos foram passando, mas a bola parecia teimar em não querer voltar a entrar.

Diogo Jota ficou perto de fazer o gosto ao pé aos 47 minutos, Bruno Fernandes fez Mahammadaliyev brilhar na baliza do Azerbaijão aos 54 e aos 58, e Diogo Jota, isolado, falhou de forma quase incrível aos 65 minutos.

O avançado do Liverpool, contudo, viria a redimir-se mesmo à entrada para o quarto de hora final. Excelente trabalho de João Cancelo na direita, cruzamento com conta, peso e medida para o coração da grande área do Azerbaijão e Diogo Jota, no sítio certo, nem precisou de saltar para cabecear para o golo e fixar o resultado final em 3-0, afirmando-se como o melhor marcador de Portugal nesta fase de qualificação, com quatro tentos.

Portugal chega, assim, aos 13 pontos em 15 possíveis neste Grupo A, segue no topo e coloca pressão sobre a Sérvia, que só mais logo visita a República da Irlanda.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.