“Deixá-lo ir embora iria destruir uma parte da coerência da minha política. Perder o melhor jogador do meio-campo seria um autêntico fracasso”, assinalou Wenger,, em entrevista publicada hoje no diário desportivo L’Équipe.

O caso de Fábregas – campeão do mundo com a Espanha – tornou-se um dos mais falados no verão depois de várias tentativas do FC Barcelona para o “repescar”.

O treinador francês advoga uma política de formação de jovens e marcou como objectivo lutar pela Liga inglesa e pela Liga dos Campeões.

Desta forma, o técnico defendeu não ter contratado nenhum avançado quando o togolês Emmanuel Adebayor foi para o Manchester City na época passada, para dar oportunidades a jovens como Theo Walcott (21 anos), além de dispor de outros jogadores como Robin van Persie e Andrei Arshavin.

Na primeira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, a 15 de Setembro, o Sporting de Braga perdeu no reduto do Arsenal por 6-0.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.