Sim, o jogo só acaba quando o árbitro apita para o final e sim, o futebol consegue ser um jogo impróprio para cardíacos. Esta é a lição que retiramos do jogo entre o Benfica-Vizela, que terminou com a vitória dos encarnados por 2-1 em duelo referente à quinta jornada do campeonato realizado no Estádio da Luz.

Nas bancadas havia quem já olhasse para a tabela classificativa com o desânimo do Benfica apenas conquistar um ponto. Na tribuna de imprensa, todos os jornalistas tinham a crónica pronta a dizer que o Vizela conseguia tirar dois pontos da Luz até que apareceu... João Mário já aos 99 minutos, leu bem.

O 2-1 final quase deitou um Estádio abaixo através da conversão de uma grande penalidade. De resto, para os Vizelenses marcou Osmajic (20') com Neres a restabelecer a igualdade no marcador aos 76'. O resto já sabemos e fica no final a liderança do Benfica e o 13º lugar do Vizela.

Veja as principais imagens do encontro

O Jogo: É melhor ler para realmente perceber

Não digo que quem não tenha visto este encontro não tenha a perceção do que realmente aconteceu, mas é melhor um relato por escrito para percebermos que tudo não passou de um sonho.

Se calhar para muitos não foi uma surpresa as emoções deste encontro. No ano passado, se bem nos recordamos, os Vizelenses conseguiram empatar na Luz a um golo e foi um jogo também impróprio para cardíacos. Agora, o final acabou por sorrir para as águias e ainda houve tempo para duas expulsões - uma delas que decerto sabe bem e já vamos perceber o porquê.

19h da tarde e Fábio Veríssimo prepara-se para o início do encontro. Schmidt promovia o regresso de Gilberto e a permanência de António Silva no onze inicial. Já Álvaro Pacheco surpreendia com a inclusão do avançado Osmajic (e que escolha) e Aléx Méndez.

A verdade é que - apesar da surpreendente prestação dos visitantes - os encarnados entraram com alguma superioridade. Gonçalo Ramos deu o primeiro grande aviso com um remate aos 10 minutos, mas foi o Vizela que inaugurou o marcador. Osmajic apareceu isolado na frente de ataque e atirou sem hipóteses para Vlachodimos numa demonstração clara de algumas debilidades defensivas do Benfica.

Era pedida uma reação aos comandados de Schmidt e essa reação chegou mesmo, mas sem golo. João Mário testou o guardião Buntic num livre direto e o Vizela só procurava sobreviver no encontro ao mesmo tempo que os adeptos impacientes assobiavam para alguns jogadores que caíam no chão.

No segundo tempo, o Benfica entrou ainda com mais vontade de chegar ao golo. Só Osmajic é que, na realidade, continuava a ser uma dor de cabeça. Gonçalo Ramos voltou a tentar marcar aos 63 minutos, mas o empate tardava a chegar. Schmidt foi 'obrigado' a colocar Aursnes, Musa e Bah. Pacheco, já depois de duas substituições antes do intervalo, respondeu com Zohi e Alvarado.

Aos 76 minutos, o golo do empate, mas foi mais do que isso: um momento de levantar o estádio. David Neres puxou para o meio e atirou em arco sem hipóteses para o guardião adversário. Renascia a esperança para os encarnados.

Aqui, foi o início da saga das grandes penalidades. Já depois de conhecido o tempo de compensação e da pressão cada vez maior do Benfica, eis que Gonçalo Ramos reclamou pela sanção dos onze metros e acabou... expulso com o segundo amarelo por simulação.
O protesto fazia-se nas bancadas até aos 99 minutos quando Rafa conquista a grande penalidade. A responsabilidade estava nos pés de João Mário porque só havia mais dois apitos para este jogo: o da grande penalidade e o do final do encontro.
O internacional português não vacilou e deu o 2-0. Nos festejos tirou a camisola e adivinhem... foi expulso!

Um jogo para tudo e que ficará na história como um dos mais emocionantes deste campeonato. Quem sorriu desta vez foram os homens da casa.

O momento: Não tires a camisola, João Mário!

O médio internacional português viveu decerto um dos momentos mais emocionantes da carreira e quase deitava o Estádio da Luz abaixo com a marcação da grande penalidade assinalada aos 99 minutos. Frente a frente com Buntic nem houve espaço para respirar e os três pontos ficaram conquistados aqui, mais a garantia da nona vitória consecutiva.

O sabor agridoce veio com a expulsão depois de tirar a camisola no festejo. Se calhar até conseguimos compreender João Mário. Em momentos como este, é o coração que comanda em vez da cabeça.

Os melhores: João Mário, Rafa, Neres e... Osmajic

Num jogo como estes, são vários os eleitos para figuras do encontro.

Do lado do Benfica, claro destaque para João Mário que marcou o golo da vitória. É preciso ter sangue frio nesse momento e o internacional português teve-o. Rafa Silva também foi um importante desequilibrador e conquistou o lance da marca dos onze metros. Por fim, David Neres que protagonizou o golo da noite - em termos de qualidade, refira-se. Para além disso, o brasileiro continua a mostrar atributos de principal criativo.

Para o Vizela, Osmajic foi uma surpresa bastante boa de Álvaro Pacheco. Um jogador com capacidades de colocar a defesa do Benfica em sentido e com uma capacidade no jogo em profundidade notável. Uma opção decerto para o futuro.

Os piores: Gonçalo Ramos e Enzo Fernández

O cansaço paga-se caro e hoje não foi a noite de duas das principais figuras deste novo Benfica. Gonçalo Ramos criou algumas oportunidades, mas o pior foi a expulsão já no segundo tempo que dificultou a vida aos encarnados e que retira o jogador do próximo encontro.

Já Enzo Fernández esteve uns furos abaixo daquilo a que já nos habituou e não foi uma peça preponderante no meio-campo.

Reações: Schmidt e Pacheco apontam à arbitragem

Schmidt reclama penálti não assinalado sobre Gonçalo Ramos

Álvaro Pacheco fala de um "penálti inexistente"

O resumo

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.