Desejado em Alvalade para suceder a Paulo Bento, Villas-Boas procura um treinador de guarda-redes para o Sporting, tendo promovido alguns contactos no sentido de preencher esse lugar na equipa técnica, para qual conta com o preparador físico José Mário Rocha, que transitou da área de formação do FC Porto para a Académica.

Este elemento acompanhará Villas-Boas na sua ida para Alvalade, além de um treinador de guarda-redes e de um treinador adjunto, sendo o antigo jogador do Salgueiros e do Sporting, Pedrosa, um dos nomes equacionados pelo ainda técnico da Académica para desempenhar tais funções em Alvalade.

De resto, a opção de risco que o presidente "leonino", José Eduardo Bettencourt, está disposto a fazer em André Villas-Boas, em detrimento de outros mais experientes que faziam parte de uma lista, entre os quais Manuel Cajuda e Manuel José, teve o "dedo" de

Sá Pinto, o novo director para o futebol profissional do Sporting, o qual já tinha estado na origem de um contacto estabelecido a época passada por Soares Franco com o agora pretendido técnico da Académica.

Numa fase mais negativa da carreira do Sporting a época passada, sob o comando de Paulo Bento, o então presidente, Soares Franco, chegou a sondar André Villas-Boas, com o patrocínio de Sá Pinto, mas a iniciativa não avançou, até porque o desempenho da equipa evoluiu de forma positiva e culminou com o segundo lugar no campeonato e a presença na pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

A relação de cumplicidade entre Sá Pinto e André Villas-Boas chegou ao ponto de este ter convidado o novo director do futebol profissional do Sporting para seu adjunto no Sporting de Braga neste defeso, quando foi contactado pelo clube minhoto para suceder a Jorge Jesus, já comprometido com o Benfica.

O presidente do Sporting de Braga, António Salvador, acabou por não avançar para André Villas-Boas por entender que se tratava de uma aposta muito arriscada, em função da inexperiência deste como treinador de campo e como condutor de homens, acabando a escolha por recair em Domingos Paciência, o actual treinador.

Os primeiros contactos entre o Sporting e André Villas-Boas ter-se-ão iniciado esta semana, mas o compromisso a meio da semana da Académica para a Taça da Liga, frente ao Portimonense, no Algarve, e a necessidade de um entendimento com o clube de Coimbra para a desvinculação do seu treinador fizeram adiar a tomada de decisões.

Assim, o Sporting só poderia avançar para uma abordagem formal à Académica depois do jogo de quarta-feira, para a Taça da Liga, o qual acabaria por ser interrompido por uma quebra de energia eléctrica que obrigou ao seu adiamento para esta tarde.

O treinador pretendido pelos "leões" tem contrato até final da época 2010/2011, que inclui uma cláusula segundo a qual André Villas-Boas poderá sair no final da presente época caso seja convidado para ingressar num dos três grandes, o que significa que a sua desvinculação neste momento terá de passar por um entendimento entre o Sporting e a Académica.

Nesse sentido, José Eduardo Bettencourt pretende resolver esta questão até sexta-feira, ou no máximo até ao final da semana, aproveitando a paragem do campeonato por força dos dois jogos do "play-off" de apuramento para a fase final do Mundial2010 que Portugal vai disputar com a Bósnia Herzegovina, por forma a que a nova equipa técnica possa entrar em funções no início da próxima semana.

Tal propósito pressupõe contactos nas próximas horas e um acordo com o presidente da Académica, José Eduardo Simões, que não deixará de exigir contrapartidas para abrir mão do treinador em que apostou decorridas dez jornadas do campeonato.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.