O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, apelou esta sexta-feira à mobilização dos sportinguistas em torno do clube, exortando-os a não “tomar nada como garantido”.

“Nunca na vida devemos tomar nada como garantido. Eu amo o Sporting, amo servir este clube 24 horas por dia, mas que ninguém tome como garantido que isso será algo eterno. Ninguém tome nada daquilo que gosta como garantido. Normalmente acabamos por perder aquilo a que não damos atenção ou o que achamos que é garantido”, disse, numa intervenção na entrega dos prémios Stromp2016.

Num discurso de improviso em que se propôs fazer uma reflexão sobre o mandato da direção sportinguista, que termina em 2017, Bruno de Carvalho sublinhou que os 'leões' só conseguirão alcançar a glória “se os 3,5 milhões de sportinguistas estiverem a remar para o mesmo lado” e “a terem a coragem de defender o Sporting no lugar onde estão”.

“Não estou a fazer um discurso de adeus, mas de alerta. De alerta que é preciso mudarmos. Ninguém aguenta quatro anos de tanta luta, de tanto sacrifício, tanta vez que se tem de gritar, de virar a mesa. Comecemo-nos a mobilizar. Quem tem lugares de destaque que deixe de ter vergonha de ser do Sporting”, frisou.

Recusando que a sua intervenção esteja relacionada com as eleições do próximo ano, em que é recandidato, Bruno de Carvalho admitiu que o Sporting tem “sofrido revezes atrás de revezes” nas últimas semanas, numa alusão à circunstância de o clube 'leonino' ter sido condenado a pagar 12 milhões de euros ao fundo de investimento Doyen, depois de o Supremo Tribunal da Suíça ter recusado o recurso interposto pelo clube da I Liga portuguesa de futebol.

“Perdemos com a total noção de que tínhamos razão, com a noção de que o mundo do futebol está demasiado emaranhado para que consigamos conviver de forma pacífica desde que tenhamos princípios e valores”, disse.

O líder 'leonino' aludiu depois à polémica em torno dos títulos conquistados pelo clube para se referir às críticas que lhe têm sido dirigidas.

“O Sporting é o único que se queixa. Parecemos de facto paranóicos. Tenho de refletir, olhar para mim e ver se é isto que eu quero para o Sporting. Às vezes sinto-me um bocadinho como aqueles doidos que estão à janela e até têm razão no que têm a dizer, mas como estão sempre a falar já ninguém os ouve”, afirmou.

Na cerimónia de entrega dos prémios Stromp2016, o galardão de futebolista do ano foi atribuído a Rui Patrício e o de revelação a Rúben Semedo.

Patrícia Mamona subiu também ao palco para receber o prémio de ‘Atleta do ano’, enquanto Mário Moniz Pereira recebeu, a título póstumo, o prémio 'Saudade'.

No palco estiveram também três dos quatro futebolistas que conquistaram o Euro2016, em França, Rui Patrício, João Mário (ausente), Adrien Silva e William Carvalho, e a equipa feminina de atletismo, que venceu a medalha de ouro na Taça dos Clubes Campeões Europeus de pista de 2016.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.