Desengane-se quem diz que o Sporting não está dependente de Bas Dost. Foi preciso o avançado holandês pôr fim ao maior jejum de golos desde que chegou a Alvalade – estava há seis jogos sem marcar - para os ‘leões’ terminarem, também eles, com a pior sequência da época – uma vitória nos últimos seis jogos. Foram três golos, todos de cabeça, sendo que Marcos Acuña não lhe quis ficar atrás e por duas vezes fez o gosto ao pé.

Davidson, numa excelente jogada individual, deu o (merecido) golo de honra ao Desportivo de Chaves, que recusou sempre jogar como equipa 'pequena'. O Sporting mantém-se, assim, na perseguição ao FC Porto, com os mesmos dois pontos de distância para os 'dragões' e três para o Benfica, que segue em terceiro.

Jorge Jesus operou apenas uma mudança relativamente ao onze que jogou em Turim, na quarta-feira, frente à Juventus, para a Liga dos Campeões: saída de Rodrigo Battaglia, que começou o jogo no banco, por troca com Daniel Podence. Bruno Fernandes recuou no terreno, para jogar mais perto de William Carvalho, enquanto Podence fez dulpa com Bas Dost no ataque.

Em relação aos flavienses, destaque para as entradas de Anderson e Davidson na equipa inicial de Luís Castro, em virtude das ausências de Domingos Duarte e Matheus Pereira (ambos emprestados pelo Sporting). Platiny foi o escolhido para render o lesionado Willian na frente de ataque.

Jorge Jesus tinha pedido aos seus jogadores para repetir o nível que havia demonstrado em Turim, onde, apesar da derrota, havia deixado boas indicações. A equipa correspondeu e logo aos seis minutos, Bas Dost inaugurou o marcador: canto cobrado na esquerda por Bruno Fernandes, com o avançado holandês, a cabecear ao primeiro poste para o fundo da baliza de Ricardo.

A formação de Luís Castro tratou logo de correr atrás do prejuízo, beneficiando de alguns erros não forçados por parte dos 'leões' no meio-campo. Contudo, Bas Dost queria mais e à passagem do quarto de hora já juntava mais um golo à sua contagem pessoal: Podence, lançado na direita, desfere um cruzamento teleguiado para o segundo poste, onde surge o holandês a cabecear para o segundo da partida.

O Desportivo de Chaves respondeu três minutos depois, com um remate de Perdigão à trave da baliza defendida por Rui Patrício. A equipa de Luís Castro, honra lhe seja feita, raramente baixou os braços durante a primeira parte, optando por não recorrer ao 'autocarro', estratégia frequentemente utilizada pelas equipas ditas 'pequenas'.

Ao minuto 31, Gelson cai na área, em lance disputado com Bressan, com Rui Costa a considerar simulação do jogador 'leonino', que acaba por ver cartão amarelo.  A assobiadela monumental que se fez ouvir em Alvalade levou o juiz da AF Porto a recorrer ao videoárbitro, acabando, no entanto, por manter a decisão inicial.

Aos 39', Bas Dost falha o 'hat-trick' de forma inacreditável, com o chapéu sobre Ricardo a rasar o poste. O holandês nem teve tempo para perceber o lance que havia desperdiçado, pois logo a seguir Acunã, servido por Gelson - Ricardo já estava batido - fazia o 3-0, numa excelente jogada delineada pelo ataque 'leonino'.

Na segunda parte, o domínio do Sporting tornou-se ainda mais clarividente, face à vantagem de três golos que detinha. E perante a falta de agressividade dos visitantes, era óbvio que a fome de golos do 'leão' não ia ficar por aqui. Aos 52', Gelson combinou com Podence, com o extremo a tirar um rival do caminho e, depois, a tentar servir Acuña ao segundo poste. O argentino não estava lá, porém. Seis minutos depois, Piccini avança pelo meio, serve Bas Dost e o holandês assiste Acuña para o quarto golo da equipa e segundo da conta pessoal. Excelente exibição dos homens do ataque sportinguista.

A goleada 'leonina' terminava da mesma forma com que havia começado: com Bas Dost (quem mais?) a faturar. Cruzamento perfeito de Piccini na direita, com o holandês a aparecer ao segundo poste e a cabecear para o 'hat-trick'. Já na reta final, Doumbia - entrou para o lugar de Gelson - também quis deixar a sua marca no jogo, mas Rui Costa invalidou o lance, por fora de jogo de Bas Dost no momento da assistência.

Já no tempo de compensação, Davidson decidiu tirar dois adversários do caminho e 'sacar' um belo chapéu a Rui Patrício: estava feito o (merecido) golo de honra do Desportivo de Chaves, que, com este resultado, cai para a 14.ª posição no campeonato.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.