Laionel, aos 93 minutos, fez um golo como poucas vezes se vê e a Académica conseguiu a proeza de vencer na Luz para o campeonato. Algo que na época passada só o Vitória de Guimarães conseguiu, e para a Taça de Portugal.

Esta noite na Luz, pouco se vislumbro do Benfica campeão. Muito pouco. No entanto, as quase 49 mil pessoas presentes não deixaram que os ânimos esfriassem, nem quando aos 26 minutos, Miguel Fidalgo respondeu da melhor forma a um livre de Diogo Valente. Gelaram, mas não desanimaram. Estava feito o 1-0. O Benfica não perdia na Luz desde o jogo com o Vitória de Guimarães, para a Taça de Portugal, que ditou o afastamento das águias. E valeu um jogador para que isso não acontecesse. E também a expulsão de Addy, aos 50’, que obrigou os estudantes a jogador com 10 unidades.

O Benfica esta noite foi Fábio Coentrão mais dez. O nº 18 encarnado defendeu, atacou e foi dos pés deles que saiu o cruzamento tenso para Jara empurrar para o golo do empate, aos 62’. Na segunda parte, com a saída de César Peixoto, que poucas ou nenhumas soluções criou no ataque, Coentrão tomou conta de todo o corredor esquerdo.

A Académica, com Jorge Costa no comando e na estreia no campeonato com os estudantes, construiu uma equipa a defender bem e rápida no ataque, ainda que falte alguma eficácia a corresponder a essa rapidez.

Na primeira parte, as melhores oportunidades do Benfica surgiram aos nove minutos e aos 16’, primeiro num remate cruzado de Coentrão, que pegou mal na bola e a defesa dos estudantes cortou no limite, depois Cardozo, a trabalhar bem na esquerda, mas a fazer cerimónia no remate. Optou pelo cruzamento, com César Peixoto a receber, a poder rematar, mas também ele a fazer cerimónia.

Aos 24’, o guardião encarnado esmerou-se. Pontapé potente de Addy e Roberto a voar para a defesa. Nem dois minutos depois, Roberto acabou mesmo por ser batido, num período em que os estudantes estavam mais afoitos. Diogo Valente cobrou o livre, para o cabeceamento de Miguel Fidalgo, dentro da grande área, a inaugurar o marcador.

Depois do golo, a Académica montou um estaleiro à frente da baliza de Peiser e o Benfica teve mais dificuldades para romper a defensiva dos homens de Coimbra.

Se os ânimos já estavam quentes na primeira parte, com a Académica a entrar algumas vezes de forma dura sobre os jogadores do Benfica, mais ficou na segunda parte. Cosme Machado que tivera um primeiro tempo benevolente, começou a mostrar os amarelos.

Addy, que já tinha sido advertido minutos antes, levou o segundo amarelo aos 51’, deixando a Académica a jogar com 10 unidades.

O Benfica esteve longe das grandes exibições e a Académica aproveitou bem essa ausência de inspiração para somar três pontos e começar da melhor forma o campeonato.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.