A Comissão de Instrução e Inquéritos (CII) da Liga anunciou hoje o arquivamento da queixa apresentada pelo Sporting após a decisão do Belenenses de não utilizar os jogadores de Miguel Rosa e Deyverson.

Em comunicado, a Liga de clubes justifica o arquivamento com a circunstância de todos os inquiridos, nomeadamente dirigentes de ambos os clubes, jogadores e treinador principal da equipa profissional da Belenenses, terem sido “unânimes em afirmar que a não utilização dos jogadores Míguel Rosa e Deyverson representou uma medida de proteção dos próprios jogadores, determinada pela intenção de os salvaguardar face às notícias que precederam o jogo em apreço”.

“A múltipla prova produzida nos autos, nomeadamente toda a documentação, inclusive a contratual, não é suscetível de dar por preenchido qualquer ilícito disciplinar”, pode ler-se.

Trata-se da segunda vez que a CII arquiva por falta de provas a queixa do Sporting sobre o caso.

No início de janeiro, após a primeira decisão, o Sporting recorreu para o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, que revogou a decisão do CII e obrigou à reabertura do caso.

Em causa na participação do Sporting está a não utilização dos jogadores Miguel Rosa e Deyverson no jogo disputado a 06 de dezembro de 2014 entre o Benfica e o Belenenses, da 12.ª jornada da I Liga de futebol, que os ‘encarnados’ venceram por 3-0.

Ambos foram convocados por Lito Vidigal, que chamou 20 jogadores, um número superior ao que é habitual nas convocatórias, mas acabaram por não ser utilizados, à semelhança do que aconteceu na época passada, quando Miguel Rosa, Deyverson e Rojas, sendo o último emprestado pelo Benfica na altura, não foram utilizados pelo treinador Marco Paulo, quando o Belenenses recebeu os ‘encarnados’ para o campeonato.

“São dois jogadores do Belenenses, sob contrato, e é o Belenenses que lhes paga, exclusivamente, o salário. O Benfica tem uma cláusula de recompra fixada. Há até um contrato assinado que entra em vigor imediatamente se o Benfica acionar a opção”, disse, na altura, o presidente da SAD do Belenenses, Rui Pedro Soares.

O dirigente dos ‘azuis’ lembrou que o assunto foi “falado durante toda a semana” que antecedeu a partida e revelou que a decisão se fundou na opinião que formou há muitos anos no sentido de que “jogadores com este tipo de contratos com outros clubes não deveriam jogar quando os defrontassem”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.