O FC Porto recebeu três futebolistas no último dia do mercado de transferências em Portugal, que encerrou na terça-feira, com o Sporting a garantir o regresso de João Mário, mas sem negociações consumadas por um avançado.

O defesa francês Malang Sarr, o médio sérvio Marko Grujic e o avançado brasileiro Felipe Anderson foram cedidos aos ‘dragões’ até ao final da temporada, oriundos dos ingleses do Chelsea, do Liverpool e do West Ham, respetivamente, colmatando as despedidas recentes dos influentes Alex Telles e Danilo Pereira.

Nanú é reforço do FC Porto e assina por cinco épocas
Nanú é reforço do FC Porto e assina por cinco épocas
Ver artigo

Antes de investir nos empréstimos além-fronteiras, onde contratou o dianteiro Evanilson ao Fluminense por 7,5 milhões de euros (ME), o FC Porto dedicou-se ao mercado português para adquirir o guarda-redes Cláudio Ramos (ex-Tondela) e os defesas Carraça (ex-Boavista), Nanú (Marítimo, dois ME) e Zaidu (ex-Santa Clara, quatro ME).

O ‘raide’ interno permitiu ainda acolher os avançados Toni Martínez (ex-Famalicão, 3,5 ME) e Mehdi Taremi (ex-Rio Ave, cinco ME), um dos melhores marcadores da I Liga 2019/20, com 18 golos, num defeso que terminou em contrarrelógio no Dragão, devido à urgência de cumprir as restrições financeiras impostas pela UEFA.

Em plena pandemia de covid-19, o Benfica contrapôs à contenção universal no mercado e revelou um investimento sem precedentes no futebol português, ao gastar 98,5 ME em nove reforços, na antecâmara das eleições para o triénio 2020/2023, depois da ‘dobradinha’ celebrada pelos ‘dragões’ e do regresso do treinador Jorge Jesus à Luz.

Benfica anuncia Cebolinha, Vertonghen e Waldschmidt
Benfica anuncia Cebolinha, Vertonghen e Waldschmidt
Ver artigo

Desse lote constam os avançados Everton Cebolinha (ex-Grêmio, 20 ME), Pedrinho (ex-Corinthians, 18 ME) e Luca Waldschmidt (ex-Friburgo, 15 ME) e os defesas Nicolás Otamendi (ex-Manchester City, 15 ME), Jan Vertonghen (ex-Tottenham, a custo zero) e Jean-Clair Todibo, cedido à última hora pelo FC Barcelona, a troco de dois ME.

Helton Leite (1,5 ME) e Gilberto (três ME) chegaram de Boavista e Fluminense, respetivamente, e Diogo Gonçalves regressou do Famalicão, num verão distinguido pela investida falhada no avançado Edinson Cavani e pelas esperanças depositadas no compatriota de setor Darwin Núñez (ex-Almería), estimadas em 24 milhões de euros.

A contratação mais cara da história do futebol nacional é sintomática da fasquia milionária estabelecida pelo Benfica, apesar da eliminação precoce da Liga dos Campeões, longe dos investimentos de FC Porto (22 ME) e Sporting (17,5 ME), que assegurou o regresso do médio João Mário quatro anos depois, cedido pelos italianos do Inter Milão.

João Mário: "Quis sempre voltar para onde me sinto bem"
João Mário: "Quis sempre voltar para onde me sinto bem"
Ver artigo

João Mário é a nova figura do ‘leão’ de Rúben Amorim, que já saiu das provas europeias, apesar de ter alistado os médios Pedro Gonçalves (ex-Famalicão, 6,5 ME), os extremos Bruno Tabata (ex-Portimonense, cinco ME) e Nuno Santos (ex-Rio Ave, três ME) e os defesa Zouhair Feddal (ex-Real Bétis, três ME) e Antunes (ex-Getafe, sem custos).

Unindo experiência com juventude, o Sporting também adquiriu a custo zero o guarda-redes Antonio Adán (ex-Atlético de Madrid), integrou os médios Daniel Bragança e João Palhinha e viu chegar o defesa Pedro Porro por empréstimo do Manchester City, mas falhou as negociações com Islam Slimani e Paulinho pelo desejado avançado.

Imutável na reta final do mercado, o Sporting de Braga trouxe a custo zero os médios Al Musrati (ex-Vitória de Guimarães) e André Castro (ex-Goztepe) e apostou em Iuri Medeiros (ex-Nuremberga), Guilherme Schettine (ex-Santa Clara) e no antigo extremo benfiquista Nico Gaitán, uma das grandes transferências da pré-época em Portugal.

O imperdível vídeo de apresentação de Gaitán no SC Braga, com uma piscadela ao filme 'Top-Gun'
O imperdível vídeo de apresentação de Gaitán no SC Braga, com uma piscadela ao filme 'Top-Gun'
Ver artigo

O desequilíbrio de gastos entre os quatro candidatos às três vagas de acesso possíveis à Liga dos Campeões e os restantes clubes da I Liga continua a ser gritante, apesar da vitalidade expressa pelo Vitória de Guimarães, que resgatou o veterano Ricardo Quaresma, para contrapor à irreverência de 17 reforços abaixo dos 23 anos.

Estratégia idêntica voltou a adotar o Famalicão, abastecido nas últimas horas com o defesa Diogo Queirós (ex-FC Porto) e os avançados Gil Dias, emprestado pelo AS Mónaco, e Dyego Sousa, cedido pelo Shenzhen, após fracassar no Benfica, numa ‘revolução’ com 21 caras novas, oriundas de várias latitudes europeias e sul-americanas.

Já o investimento de Gérard Lopez alimenta expectativas no Boavista, reunindo em 19 reforços o talento de Angel Gomes (cedido pelo Lille), a experiência do campeão mundial Adil Rami e do ex-benfiquista Javi García, bem como a resiliência de Musa Juwara, que se lançou ao Mediterrâneo e desembarcou num campo de refugiados em Itália, em 2016.

Boavista anuncia contratação de Adil Rami, campeão do mundo em 2018
Boavista anuncia contratação de Adil Rami, campeão do mundo em 2018
Ver artigo

O Rio Ave foi buscar Ivo Pinto e Ryotaro Meshino, fez regressar Francisco Geraldes e Pelé, segurou Aderllan Santos e Gelson Dala e interrompeu no último suspiro do mercado a reforma antecipada do defesa Fábio Coentrão, que regressa à I Liga, tal como Djalma (Farense), Fabrício (Portimonense) e Salvador Agra (Tondela).

Talocha (Gil Vicente) é outro exemplo de uma prática comum no Belenenses SAD, que juntou os velhos conhecidos Afonso Taira, Cauê, Miguel Cardoso e Stanislav Kritsyuk ao ex-internacional brasileiro Henrique, enquanto o Marítimo anunciou Faiq Bolkiah, considerado o jogador mais rico do mundo, por ser sobrinho do sultão do Brunei.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.