O FC Porto somou este sábado, 13 de fevereiro, na receção ao Boavista (2-2), na 19ª jornada da I Liga de futebol, o terceiro empate consecutivo, e arrisca ficar a 10 pontos da liderança se o Sporting derrotar o Paços de Ferreira.

O Boavista surpreendeu o FC Porto na primeira parte, com dois golos sem resposta, o primeiro pelo central equatoriano Jackson Porozo, e o segundo pelo avançado Alberth Elis, das Honduras, aos oito e 45+1 minutos, respetivamente.

Sérgio Conceição, sem poder contar com os colombianos Matheus Uribe e Luís Diaz, castigados, lançou logo no início da segunda parte Otávio, regressado de lesão e após ausência de várias semanas, o médio sérvio Grujic, e o defesa nigeriano Zaidu, em detrimento de João Mário, Fábio Vieira e Diogo Leite, respetivamente.

O golo do avançado iraniano Medhi Taremi, aos 54 minutos, fez o FC Porto acreditar que era possível, ainda, dar a volta ao marcador, mas os últimos minutos é que foram de intensidade e emotividade, com a equipa portista a empatar aos 82, de penálti, por Sérgio Oliveira, o mesmo jogador que falharia outro penálti quatro minutos depois, aos 86, a punir uma falta sobre Francisco Conceição, filho do treinador do FC Porto, lançado em campo pelo aos 77, a render Manafá.

O protagonismo do Francisco Conceição não ficaria por aqui e levaria o clima de tensão e emoção ao rubro aos 89 minutos, quando o brasileiro Evanilson, que entrou aos 71, para o lugar de Marega, introduziu a bola na baliza do Boavista pela terceira vez, mas o vídeoárbitro (VAR) acabaria intervir e levar à não validação do golo por alegado toque com a mão na bola do seu autor.

A jogada foi protagonizada, mais uma vez, pelo filho de Sérgio Conceição, na sequência da qual correu para os braços do pai a festejar o golo emocionado, mas o ‘balde de água fria’ chegaria com a intervenção do VAR, que levou o árbitro Manuel Mota a não sancionar o golo que daria os três pontos aos atuais campeões nacionais.

Com este empate, o terceiro seguido, depois de Belenenses SAD (0-0) e Sporting de Braga (2-2), o FC Porto manteve o segundo lugar, com 41 pontos, mas pode ficar com 10 de atraso do Sporting, caso este vença o Paços de Ferreira, na segunda-feira, no estádio José Alvalade Alvalade, enquanto o Sporting de Braga, que se desloca aos Açores para defrontar o Santa Clara, é terceiro, com 37, os mesmos do quarto, o Benfica, que vai ser testado em Moreira de Cónegos, frente ao Moreirense. O Boavista segue em penúltimo, com 15 pontos.

Entretanto, o Rio Ave alcançou também este sábado o segundo triunfo consecutivo no campeonato, ao derrotar o Vitória de Guimarães por 3-1, num jogo em que o seu maior mérito foi ter aproveitado os erros da equipa vimaranense.

A equipa de Miguel Cardoso contrariou a maior posse de bola inicial dos vitorianos com dois contra-ataques ‘letais', concluídos por Carlos Mané, aos 23 minutos, e por Rafael Camacho, aos 32, e aproveitou depois uma falha clamorosa de Bruno Varela para selar o resultado por Gelson Dala, aos 74, depois de Quaresma ter reduzido aos 70, na recarga a um penálti que desperdiçou.

Com este triunfo, os vila-condenses subiram ao nono lugar, com 22 pontos, enquanto os vimaranenses, que perderam pela quinta vez em nove jogos em casa e estão sem vencer há três jornadas, mantêm o sexto posto, com 31.

Por seu lado, o Farense venceu neste 13 de fevereiro o Nacional no Estádio da Madeira, no Funchal, por 3-2, alcançando a sua primeira vitória fora de casa no campeonato e deixando o último lugar da classificação para ascender ao 15º, primeiro acima da zona de despromoção.

A equipa algarvia esteve a vencer por 2-0, com golos de André Pinto (51) e Ryan Gauld (62), mas o Nacional conseguiu restabelecer o empate com golos de João Vigário (68) e Pedro Mendes (83), que durou apenas três minutos visto que o mesmo jogador fez um autogolo que fixou o resultado final.

Determinante para o desfecho da partida foi a excelente segunda parte do Farense, cujos frutos foram os dois golos de vantagem e mais alguns lances de muito perigo junto à baliza insular.

A reação do Nacional, também impulsionada pelas entradas dos avançados Pedro Mendes e Bryan Riascos, e do médio Rúben Micael, valeu a recuperação para 2-2, comprometido por um autogolo de Pedro Mendes, três minutos depois de ter ‘assinado’ o segundo golo da sua equipa.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.