Numa intervenção na conferência "Violência no Desporto", na Assembleia da República, Bruno de Carvalho afirmou que o atual estado da modalidade deriva do que designou de "lixo tóxico" difundido por programas de televisão e visou também organismos como a Liga e a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

"Mais importantes do que os jogadores e os treinadores são os clubes. Se não fosse pelos clubes, vocês não se sentavam aí. Os clubes estão a ser o único garante de que o futebol ainda tem adeptos, porque as entidades que regulam o futebol estão a afastá-los. A culpa não está do lado de cá, tem de estar desse lado", afirmou.

Num discurso onde também abordou o papel do Instituto Português de Desporto e Juventude (IPDJ), a atuação do Ministério Público ou mesmo da Assembleia da República, Bruno de Carvalho dirigiu no fim algumas questões concretas à Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), à Liga e à FPF, que não ficaram sem resposta.

Em relação a Fernando Gomes, o líder 'leonino' questionou sobre o visionamento das imagens do vídeoárbitro nos estádios, ao que o presidente da FPF assegurou que "os regulamentos não permitem a passagem dos lances duvidosos nos estádios".

Por sua vez, Luciano Gonçalves, presidente da APAF, reconheceu que o Sporting tem tido "comportamentos" em prol da dignificação da arbitragem, "mas que todos podem fazer muito mais", contestando ainda a ideia de Bruno de Carvalho sobre a ausência de correlação entre as palavras dos dirigentes e a violência no desporto.

A terminar, Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato de Jogadores, vincou que "todo o futebol está sob suspeição" e que a recente tomada de posição dos capitães de equipa está em linha com a própria postura do presidente do Sporting, quando este se sentiu ofendido na sua "dignidade pessoal" e acabou por convocar eleições.

"Não são todos iguais. Os jogadores exigem respeito, como o presidente do Sporting, do Benfica ou da Liga. Eles é que são o maior ativo do futebol português. Há um ambiente castrador no futebol português", frisou, ao que Bruno de Carvalho ripostou: "No meio de tudo o que se está a passar no futebol, o que se está a passar com os jogadores é o mais diminuto."

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.