Luisão considera que é preciso ter alguma paciência ao nível do desempenho do Benfica na Europa, garantindo que "a ambição europeia vai sempre existir".

"O importante, na minha opinião, é formar o alicerce nas competições europeias. E o que é o alicerce? É passar de fase mais vezes, é chegar aos oitavos-de-final com mais frequência, aos 'quartos', depois almejar uma meia-final e quem sabe no futuro próximo atingir uma final. Mas sem o alicerce construído, isso é impossível. A 'ambição europeia' não é analisar apenas um ano, não é entrar na Champions agora e já ser campeão. Sabemos que existem aqueles que investem muito e compram os melhores. A questão é: como vamos combatê-los? Respondo: construindo um alicerce forte e estamos a fazer isso", defendeu o antigo central dos 'encarnados', em entrevista ao 'Goal'.

Sobre a aposta do clube na formação, Luisão revela que "existe um respeito muito grande pelo 'know-how' que o Benfica construiu" ao longo dos últimos 15 anos, na academia do Seixal:

"Cada vez mais as pessoas querem entender como o clube formou tantos craques, como tem alimentado grandes clubes. Temos o caso do Bernardo Silva, do João Félix, do João Cancelo, do Renato Sanches, do André Gomes, do Lindelof, do Ederson. Quando falam 'Benfica', as pessoas olham para a nossa organização, o nosso profissionalismo", defendeu.

O atual embaixador dos 'encarnados' explicou, depois, por que razão o clube não compra jogadores com a mesma agressividade com que vende.

"O Benfica tinha de vender porque era um clube que vinha em total crescimento, então tinha de desenvolver jogadores e vender, mas agora também já começa planear, a reter esses jogadores desenvolvidos em casa, como é o caso do Rúben Dias. A Europa toda tinha interesse nele, mas o Benfica conseguiu que o jogador permanecesse. Toda transição leva tempo. Logo, vai chegar a hora de reter jogadores. É uma estratégia do nosso clube para combater os grandes clubes da Europa", frisa.

Luisão deixou ainda elogios a Bruno Lage, considerando que o Benfica também pode ser um clube formador ao nível dos treinadores.

"Quando se fala em formação olha-se sempre para os jogadores, que geralmente chegam ao clube com oito ou nove anos, fazem todo um percurso e ganham espaço na equipa profissional. Mas agora, com o Bruno Lage, começámos a ver que o Benfica também pode formar treinadores. Ele fez um trabalho espetacular na temporada passada. É bom ver o Benfica também a formar treinadores, porque temos muita gente capacitada. Aquilo que um jogador faz aqui, o que toda gente vê nos jogos é o produto final. Mas precisamos de olhar para as pessoas que estão a desenvolver todo esse produto. Temos hoje um treinador que passou por várias etapas aqui dentro", observou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.