Foi arrancada a ferros a vitória do FC Porto na Madeira: os dragões venceram o Marítimo por 2-1 com o golo da vitória a surgir já para lá do minuto 90, fruto de grande penalidade marcada por Otávio.

À procura de não dar mais espaço ao Sporting na liderança antes do clássico entre as duas equipas, o FC Porto não precisou de muito tempo para chegar à vantagem no Funchal.

Aos 14 minutos, depois de um livre marcado por Sérgio Oliveira, o esférico andou a rondar a grande área de Amir, até acabar nos pés de Uribe que, após combinação com Taremi, rematou para o fundo da baliza maritimista.

A vantagem, contudo, durou pouco. O Marítimo chegou ao golo no lance seguinte, aos 18 minutos quando, na sequência de um canto, a bola desvia em Tagueu e acaba nos pés de Léo Andrade que só teve de encostar para o fundo da baliza defendida por Marchesín. O golo só foi validado três minutos depois, após uma demorada análise do VAR (como já vem sendo regra) dar conta de que o jogador do Marítimo estava em jogo por 90 centimetros.

Depois do golo, foi o FC Porto a controlar a partida, permanecendo no interior da grande área do Marítimo até ao intervalo. Os dragões contaram com uma grande oportunidade para se recolocarem em vantagem aos 34 minutos, mas Amir, com duas boas intervenções impediu o golo de Zaidu, na primeira intervenção, e de Taremi, na recarga.

Aos 38 minutos, o FC Porto ficou a pedir grande penalidade por alegada falta de Zainadine sobre Marega, mas Vítor Ferreira mandou seguir.

Ao intervalo, o 1-1 era claramente penalizador para os dragões que contaram com as melhores oportunidades da partida no primeiro tempo, tendo tropeçado apenas na única oportunidade que o Marítimo teve na partida nos primeiros 45 minutos.

O filme do jogo repetiu-se no segundo tempo, com um FC Porto a sufocar o Marítimo, que não conseguia sair do seu último terço face à pressão colocada pelos dragões.

Para refrescar a equipa, Sérgio Conceição lançou Otávio e Francisco Conceição aos 66 minutos, com os recém-entrados a verem um remate em jeito de Corona, aos 67', a ser defendido por Amir. O técnico voltou a mexer aos 80 minutos, lançando Toni Martinez e tirando Luis Díaz, aumentando o número de unidades na frente de ataque, numa altura em que o FC Porto continuava a dominar, mas sem conseguir chegar ao golo.

Aos 82', o Marítimo encontrou espaço para respirar e assustou o FC Porto com Alipour a arrancar pela direita e a obrigar Marchesín à defesa. No lance seguinte, aos 84', após marcação de canto, os madeirenses ficaram novamente muito perto do 2-1 quando Zainadine apareceu a cabecear em cheio ao poste esquerdo da baliza defendida pelo guardião argentino.

O domínio era portista, mas as melhores oportunidades da segunda parte tinham sido estas duas do Marítimo em dois minutos.

Numa corrida contra o relógio, o FC Porto tentava todas as formas para chegar ao golo da vitória que surgiu depois de, aos 90 minutos, Francisco Conceição ser empurrado por Rúben Macedo no interior da grande área. Vítor Ferreira apontou de imediato para a marca de 11 metros e Otávio, chamado a marcar, não desperdiçou, fazendo o 2-1 aos 90+3 minutos, dando a vitória aos dragões.

Com a vitória nos Barreiros, os dragões mantêm a distância de 10 pontos para o Sporting antes do clássico entre as duas equipas marcado para o próximo sábado, recuperam o segundo lugar e afastam-se do Benfica, ficando agora com cinco pontos de vantagem sobre as águias.

*última atualização às 22h27

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.