O treinador do Vitória de Guimarães mostrou hoje grande satisfação pelo triunfo, por 4-1, na sua estreia frente ao Nacional, no jogo em atraso da segunda jornada da Liga de futebol, mas recusou assumir os louros da conquista.

Para Rui Vitória, o triunfo ficou a dever-se a Manuel Machado, o seu antecessor, porque «não existe magia», mas também aos seus colaboradores e «em terceiro lugar aos jogadores que foram inexcedíveis na competitividade».

«Foi uma vitória justa», adiantou o técnico, sublinhando que a equipa «teve a noção de que tinha sofrido muitos golos nos últimos jogos e havia que melhorar o aspeto defensivo», observou.

Rui Vitória salientou que a sua formação está a «iniciar um trabalho» e começou com «um bom tónico», advertindo que «os jogadores têm qualidade, mas as coisas não se resolvem por si sós, tem de haver crença».

Já o treinador do Nacional, Ivo Vieira, considerou que a derrota se enquadrou numa noite em que «nada correu bem».

«Saiu tudo ao contrário daquilo que tínhamos planeado, mas eu continuo acreditar na qualidade da equipa e dos jogadores. Fomos permeáveis defensivamente, mas sou eu o único responsável por esta derrota», reconheceu.

Contudo, o treinador dos insulares não se mostrou preocupado com o futuro.

«Fomos macios e pouco agressivos, mas há que levantar a moral, porque com esta derrota os jogadores não passam de bestiais a bestas», concluiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.