Sérgio Conceição comentou, esta quinta-feira, a sua expulsão no jogo frente ao Boavista, a propósito do golo que deu a vitória ao FC Porto.

"Não sei se consigo resumir o que se passou num minuto. Ninguém fica agradado por ser expulso. Não apanhei castigo porque não fiz nada de grave para que isso acontecesse. Desta vez foi por causa dos festejos, por festejar efusivamente o golo. O jogo contra o Boavista é sempre um jogo muito difícil, muito disputado. Não contava sinceramente que o Boavista não jogasse futebol. Há outro candidato ao título que já foi ao Bessa e o Boavista fez 12 faltas, connosco fez o dobro. E faltas assinaladas", afirmou o treinador portista na antevisão da partida com o Portimonense.

Sérgio Conceição deu o exemplo do golo de Éder que deu a Portugal o título de campeão europeu em 2016, frente à França, para justificar esse festejo efusivo.

"[O jogo no Bessa] não foi um jogo de futebol. Foi uma batalha. Aos 90+5' comemoro com um palavrão e o mais importante foi isso. Não ouvi falar do tempo útil de jogo que quase não existiu na primeira parte. No golo do Éder, no Europeu, ninguém soltou um palavrão? Tirando se estivessem na missa. Quem está a ver o jogo, não é normal? Os golos do Éder, para mim, são todos os golos do FC Porto. São vividos com emoção e paixão. Se calhar, não posso ir para o banco, têm de me meter numa jaula. O que fiz de mal? O que é que eu disse de mais?", acrescentou.

O FC Porto-Portimonense tem início marcado para as 20h30 de sexta-feira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.