Tiago pediu para se resolver tudo “rapidamente”, já que essa é a melhor forma de se conseguir “estabilidade”.

"Espero que fique resolvido, pois isso vai ser bom para todos os portugueses que querem ir ao Euro", disse o médio

Já Bruno Alves falou na necessidade de uma rápida resolução do caso, para o bem de todos.

O defesa central, contudo, disse que tudo compete à Federação Portuguesa de Futebol e não aos jogadores.

Bruno Alves também aproveitou a ocasião para explicar que não quis contra-atacar Agostinho Oliveira, quando garantiu que as equipas devem ser “unidas” e que, qualquer que seja o resultado, esse é de “todos” e não de apenas um sector.

A resposta de Bruno Alves foi entendida como uma crítica, já que Agostinho Oliveira tinha dito que a defesa, “habitualmente competente”, tinha sido “incompetente” no jogo com o Chipre.

Hoje, Bruno Alves tirou as dúvidas e explicou não ter sido sua intenção provocar qualquer polémica, até porque tem uma excelente relação com o treinador.

Liedson também abordou o caso Queiroz, frisando que a resolução do processo compete aos dirigentes e que os jogadores apenas se devem preocupar com aquilo que fazem dentro do campo.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.