Rui Bragança, medalha de prata em taekwondo na categoria -58 kg nas Universíadas2017 e que se estreia na sexta-feira nos Jogos do Mediterrâneo, não descarta a possibilidade de alcançar medalhas, mas lembra que a concorrência é "muito forte".

"Não descarto. Mas já sabemos que não vai ser fácil. Nunca podemos pensar que são favas contadas. Vou dar o tudo por tudo em cada combate", disse Rui Bragança aos jornalistas após chegar à cidade espanhola de Tarragona, onde estão a decorrer até 01 de julho os Jogos do Mediterrâneo.

O atleta vimaranense, que representou o Vitória de Guimarães e agora veste as cores do Benfica, referiu que "os países que fazem parte desta edição dos Jogos do Mediterrâneo são muito bons ao nível de taekwondo", destacando a presença de Jesus Tortosa, número três no mundo que "joga em casa".

"Para nós vai ser difícil. Vai ser igual ou pior do que um Europeu. Temos aqui Marrocos, Tunísia e Egito que são muito fortes. Também a Turquia e a França apostam muito no taekwondo. Não esperamos facilidade. Vimos sempre à procura do melhor resultado possível. Vimos para ganhar todos os combates", referiu.

Rui Bragança, que também ganhou a prata no campeonato do Mundo de 2011 compete na sexta-feira na categoria -58 kg em horário ainda não divulgado.

Admitindo que já pensa nos próximos Jogos Olímpicos, após esta participação, o atleta segue para o Open da Jordânia e em agosto participa no Grand Prix de Moscovo

"No momento em que acabou Rio2016, comecei de imediato a pensar em Tóquio2020. Todas as provas são essenciais. Vou dar tudo por tudo", concluiu.

Portugal arrecadou até ao momento 12 medalhas - três ouros, três pratas e seis bronzes - nos Jogos do Mediterrâneo, competição na qual se estreia com 232 atletas em 29 modalidades.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.