O antigo ciclista norte-americano Lance Armstrong, despojado dos sete títulos conquistados na Volta à França, considera «impossível» ganhar o Tour sem recorrer ao doping.

Numa entrevista, a publicar hoje pelo vespertino francês Le Monde, a um dia do início da 100.ª edição do Tour, Armstrong diz que não é o inventor dessa prática e que a corrida francesa «é uma prova de resistência em que o oxigénio é a chave».

«Eu não inventei o doping. Simplesmente participei no sistema. Nunca tive medo dos controlos. O nosso sistema era muito simples e não tinha riscos. Davam-me mais medo as passagens pelas alfândegas», confessou o antigo ciclista, que perdeu as sete vitórias no Tour por recurso a substâncias dopantes.

Na mesma entrevista, Armstrong admite que «nunca» irá conseguir reparar o que fez, mas garante que passará o resto da vida a tentá-lo.

«Fui muito duro com as pessoas. Bater-me sobre uma bicicleta é perfeito. Bater-me fora dela, não. Não distingui as coisas», admitiu o norte-americano.

Sobre o mais recente escândalo de doping, que envolve um dos melhores ciclistas franceses da última década, Laurent Jalabert, Armstrong considera que o gaulês está a “mentir” quando negar ter recorrido a substâncias dopantes.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.