O português João Rodrigues (W52-FC Porto) disse hoje ter feito “algo especial e histórico” ao vencer a 81.ª Volta a Portugal em bicicleta, que terminou com um contrarrelógio entre Vila Nova de Gaia e Porto.

“Ainda não caí em mim. Sei que acabei de fazer algo especial e histórico, mas espero desfrutar com a minha equipa, que me ajudou a conquistar esta corrida, que será algo marcante na minha carreira”, resumiu, em declarações aos jornalistas.

O algarvio de 24 anos destacou os “meses de muito trabalho” para chegar ao triunfo, dedicando a vitória a todos os envolvidos, dos apoios da família a “toda a equipa”, e disse que a vitória “tem mais sabor por ter sido no último momento”.

Chegar ao Porto tornou o final “bastante especial, com todos os adeptos”, e quer guardar “para sempre os momentos únicos” que hoje viveu, ao vencer o ‘crono’ para acabar 27 segundos à frente de Jóni Brandão (Efapel) na geral final.

O vencedor da 81.ª edição lembrou ainda o espanhol Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano), que desistiu na nona etapa, e que “infelizmente teve uma doença que o impossibilitou de acabar, porque estaria na discussão de certeza”.

“Hoje, foi homem a homem, e fui mais forte”, declarou.

O diretor desportivo dos ‘dragões’, Nuno Ribeiro, deu os parabéns ao seu corredor, que junto com o espanhol Gustavo Veloso, terceiro, eram “as apostas” depois da lesão de Raúl Alarcón.

“Disse, no final da Volta ao Alentejo [que João Rodrigues venceu], que seria um favorito a ganhar, se não este ano, nos próximos. Com a infelicidade do Raúl, teve uma oportunidade ainda maior. Aproveitou-a e bem”, afirmou.

O diretor escusou-se a comentar a possibilidade de o corredor de 24 anos sair para uma equipa no estrangeiro, dizendo apenas que deve “escolher o melhor para ele e fazer a melhor gestão de carreira”.

“Se conseguir uma equipa que lhe dê satisfação e para que evolua no futuro, será importante para ele e o ciclismo português”, atirou.

Por seu lado, João Rodrigues não quis comentar uma possível saída, por não estar “a pensar na próxima época”, mesmo assumindo a possibilidade de correr noutro sítio. “Poderei ter, ou não, outras oportunidades, depois deste grande feito”, referiu.

Quer “defender as cores da W52-FC porto até ao fim”, dando “tudo na estrada”, e por agora vai “desfrutar o momento” que faz dele uma ‘estrela’ na aldeia perto de Tavira de onde é natural.

“Não há ninguém famoso lá, mas acho que agora vou ser o mais conhecido de Faz Fato”, brincou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.