O selecionador nacional de futsal, Jorge Braz, considerou hoje que uma eventual aposta do FC Porto na modalidade seria importante para o seu crescimento, enfatizando também "o foco mais importante", os mais jovens.

“Somos um país muito clubístico, que desperta muita paixão nos portugueses, não somos um país tão desportivo. Claro que um clube e uma instituição como o FC Porto ia trazer mais pessoas a olhar [para a modalidade] e mais paixão, sem dúvida”, afirmou, quando questionado sobre quão importante seria para o crescimento ainda maior da modalidade que um clube como o FC Porto apostasse nela.

Jorge Braz, que falava à margem de uma homenagem da Câmara Municipal de Braga pela recente conquista do bicampeonato da Europa, notou, contudo, que se o ingresso de clubes como FC Porto na modalidade ajudaria no seu “desenvolvimento sustentado”, este passa também por uma aposta nos mais jovens, que são “a sustentabilidade de tudo isto”.

“O desenvolvimento sustentado da modalidade passa por dar oportunidades aos nossos meninos e meninas, qualificar o processo, e nós, Federação, associações, os municípios. Temos a obrigação de proporcionar-lhes isso”, disse.

Para o selecionador nacional, importa “nunca esquecer o foco mais importante: quem o pratica, as bases, os jovens, a formação, e depois as elites, os principais clubes, as seleções”.

Portugal sagrou-se bicampeão europeu de futsal ao vencer, no sábado, a Rússia, por 4-2, nos Países Baixos, e a Câmara Municipal de Braga, tal como fez quando a seleção se sagrou campeã mundial em outubro do ano passado, homenageou hoje os campeões ‘bracarenses’ do grupo de trabalho.

O selecionador, Jorge Braz, e o treinador adjunto Pedro Palas são transmontanos de nascença, mas residem em Braga há cerca de 20 anos, enquanto Fábio Cecílio e Tiago Brito são jogadores do Sporting de Braga.

Jorge Braz referiu que, para superar o equilíbrio existente nas grandes competições, os jogadores fizeram valer-se “da alma portuguesa, do espírito guerreiro, que o minhoto tanto transmite” e notou que a autoconfiança demonstrada advém “do trabalho, de há muito tempo, das vitórias e das derrotas também”.

“Vem das aprendizagens, dos insucessos e dos sucessos, mas de voltar a pôr os pés no chão, da humildade de todos os jogadores e de todo o staff, e de confiarmos em nós, no processo e no que fazemos, acreditar e ir buscar esse bocadinho mais guerreiro para, em momentos difíceis, conseguirmos superar”, disse.

O presidente da autarquia bracarense, Ricardo Rio, mostrou-se “muito orgulhoso com mais esta conquista” e lembrou que Jorge Braz, há quatro meses, no mesmo salão nobre, “falou na responsabilidade de revalidar esses títulos e está a cumprir”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.