Gonçalo Alves está a ter uma ascensão meteórica no hóquei nacional. O hoquista do Sporting está a ter uma estreia de sonho na III Divisão mostrando qualidades acima da média para a sua idade.

Em entrevista ao site da Federação de Patinagem de Portugal, o craque de 17 anos, que se estreou na III Divisão, afirmou que o objectivo do Sporting é ser campeão no primeiro ano neste escalão.

"Está a ser muito bom, mas, quando se trabalha bem durante a semana, e há um colectivo de qualidade, é natural que os resultados apareçam. Queremos ser campeões da III Divisão, temos potencial para isso, e vamos lutar em cada sábado. Depois, logo se vê", disse Gonçalo Alves ao site da FPP.

"Quero levar o Sporting à I Divisão"

Dando sequência a um notável trabalho desenvolvido nas camadas jovens, Gonçalo Alves quer levar o Sporting à I Divisão e trabalhar para ser campeão da Europa e do Mundo pela selecção nacional A.

"Quero levar o Sporting à I Divisão e, nessa altura, analisarei o meu futuro. Depois de ter sido bicampeão europeu de Sub-17 e campeão da Europa, em Sub-20, pretendo jogar na Selecção Nacional A e trabalhar para ser campeão da Europa e do Mundo".

"No Porto, há uma coisa que não existe em Lisboa: mentalidade"

O hoquista detém dois títulos de campeão nacional de iniciados e juvenis no Sporting, mas foi no FC porto que começou a dar os primeiros passos, tendo começado a patinar com um ano e meio:

"No Porto, há uma coisa que não existe em Lisboa: mentalidade. Interessa ganhar e não importa quem entra. O António Livramento falou com o meu tio [Paulo Alves] e disse que tinha de ser jogador do FC Porto. Comecei nas escolinhas, mas, depois, tive de ir para o Famalicense, devido à incompatibilidade de horários entre os treinos e a escola. Fiquei durante quatro anos e surgiu o convite do engenheiro Gilberto Lopes, a quem agradeço o esforço que tem feito pelo Hóquei em Patins do Sporting. O clube está a ser a minha rampa de lançamento".

Gonçalo Alves continua a ser treinado por Quim Zé, seu pai, com quem trabalhou, também, no FC Porto e no Famalicense.

"É fácil trabalharmos juntos. Foi através dele que aprendi mais, mas também admiro o meu avô e meu tio. [Paulo Alves] Tem uma carreira brilhante, com campeonatos europeus e mundiais, e quero fazer igual ou melhor do que ele. O apoio da minha mãe é importante e torna-se mais fácil estar com o filho e o marido, porque gosta de hóquei em patins".   

Embora se sinta bem no Sporting, Gonçalo Alves não descarta uma saída para o estrangeiro onde gostaria de jogar em Espanha e Itália.

"São os melhores do mundo e seria bom jogar nestes países. Pode ser que isso aconteça".

Para além das referências familiares, o hoquista tem cinco heróis de referência.

"Gosto de ver jogar Reinaldo Ventura, Pedro Gil e Pablo Alvarez. Em relação a treinadores, admiro Franklim Pais e António Livramento".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.