O belga Steve Darcis, número 135 mundial, garantiu hoje um lugar na história do ténis, ao afastar Rafael Nadal na primeira ronda de Wimbledon, algo que aconteceu pela primeira vez na carreira do espanhol nos Grand Slams.

Vencedor em 2008 e 2010 do torneio londrino, Nadal foi eliminado pela primeira vez na primeira ronda de um Grand Slam, sendo afastado por Darcis em apenas três “sets”, com os parciais de 7-6 (7-4), 7-6 (10-8) e 6-4.

Mas o recorde negativo do quinto tenista mundial, que no ano passado foi afastado na segunda ronda pelo desconhecido Lucas Rosol, antes de ficar sete meses longe dos “courts” devido a lesão, não se ficou por aí: também é a primeira vez que é batido por um jogador tão mal classificado no ranking mundial num dos “majors”.

Chega assim ao fim o regresso extraordinário de “Rafa”, desde há duas semanas único homem a deter oito títulos do mesmo Grand Slam (Roland Garros) e o tenista mais vitorioso da época, com sete títulos em nove finais disputadas e 22 vitórias consecutivas.

Hoje, a dor no joelho, que o obrigou a parar há um ano, parece ter regressado, já que foi obrigado, várias vezes, a pôr gelo sobre a banda que liga a zona lesionada e pareceu cada vez mais diminuído fisicamente à medida que o jogo ia avançando.

Questionado sobre o joelho esquerdo, Nadal irritou-se:

«Não quero falar do meu joelho. Tudo o que poderia dizer soaria a desculpa e não me apetece. Não é o dia certo para falar disso. É o desporto, às vezes jogamos bem, outras mal. Hoje quase nada funcionou.»

O espanhol, que tinha manifestado a sua preocupação por regressar à relva, reconheceu que é a superfície mais difícil para se adaptar e a mais exigente para si.

Já Darcis, o herói improvável do dia, reverteu um registo negativo de 12 eliminações em 18 presenças na primeira ronda de um Grand Slam.

«Ninguém esperava a minha vitória. Sim, o Nadal não jogou o seu melhor ténis e eu sabia que o primeiro jogo em relva é sempre difícil, mas é uma grande vitória para mim», disse o belga, que foi 44.º mundial em 2008.

O adeus precoce do espanhol deixa a parte de baixo do quadro mais aberta para a caminhada de Andy Murray, que hoje se tornou no tenista britânico com mais vitórias em “majors” (107), superando o lendário Fred Perry.

O vice-campeão do torneio e número dois mundial venceu facilmente o alemão Benjamin Becker, por 6-4, 6-3 e 6-2.

«É um bom começo. Há sempre algum nervosismo antes do primeiro encontro de um Grand Slam, especialmente aqui no meu caso. Estou contente por ter superado este encontro e por seguir em frente», reconheceu o campeão olímpico.

Na rota de Murray, para umas hipotéticas meias-finais, está Roger Federer, que passou tranquilamente à segunda ronda, depois de bater o romeno Victor Hanescu, número 47 do mundo, em três “sets”, pelos parciais de 6-3, 6-2 e 6-0.

No quadro feminino, prevaleceu a normalidade, com um toque português. Primeiro, a número dois mundial, a bielorrussa Victoria Azarenka, derrotou Maria João Koehler, por 6-1 e 6-2, depois a russa Maria Sharapova marcou encontro com Michelle Larcher de Brito.

A número três mundial venceu a francesa Kristina Mladenovic, por 7-6 (7-5) e 6-3, e garantiu um encontro com a portuguesa, que ganhou à norte-americana Melanie Oudin, pelos parciais de 7-6 (9-7), 1-6 e 6-4, na segunda ronda do torneio britânico.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.