O advogado de Luís Filipe Vieira propôs entregar um imóvel e ações da Benfica SAD como garantias para pagar a caução de três milhões de euros que lhe foi aplicada pelo juiz Carlos Alexandre no âmbito da operação Cartão Vermelho.

De acordo com o jornal Público [conteúdo pago] Luís Filipe Vieira propôs penhorar ações na SAD do Benfica e um imóvel, em nome próprio, no valor de um milhão de euros como formas de garantias.

Cabe agora ao Ministério Público decidir se aceita ou não esta proposta, cuja última palavra será sempre a do juiz Carlos Alexandre.

Luís Filipe Vieira foi um dos quatro detidos numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros, com prejuízos para o Estado, SAD do clube e Novo Banco.

Cartão Vermelho: CMVM investiga “infrações” contra mercado e proteção dos investidores
Cartão Vermelho: CMVM investiga “infrações” contra mercado e proteção dos investidores
Ver artigo

O agora ex-presidente do Benfica está em prisão domiciliária até à prestação de uma caução de três milhões de euros e proibido de sair do país, além de estar indiciado por abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, fraude fiscal e abuso de informação.

Segundo o Ministério Público, o empresário provocou prejuízos ao Novo Banco de, pelo menos, 45,6 milhões de euros, compensados pelo Fundo de Resolução.

No mesmo processo, denominado ‘Cartão Vermelho’, foram detidos, para primeiro interrogatório judicial, o seu filho Tiago Vieira, o agente de futebol e advogado Bruno Macedo e o empresário José António dos Santos, todos indiciados por burla, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e fraude fiscal.

Rui Costa deverá candidatar-se à presidência do Benfica

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.