O antigo presidente do Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) António Gonçalves Pereira congratulou-se hoje com mais uma decisão favorável no polémico processo que culminou com a despromoção do Boavista.

«É uma decisão, mais uma, no mesmo sentido das duas anteriores. Não me admira. Desde a primeira hora, sempre afirmei convictamente que, após o encerramento da reunião do CJ, não podia haver aquela pretensa continuação», disse à Agência Lusa.

O então líder do CJ iniciou os trabalhos da reunião de 04 de julho de 2008, mas, em virtude da decisão de que um dos membros, João Abreu, não deveria participar ou votar na mesma e do consequente clima de «tumulto», considerou existir uma «impossibilidade prática para poder deliberar com serenidade».

O CJ reuniu mais tarde, já sem os seus presidente e vice-presidente, e confirmou a descida de divisão do Boavista, por alegadas práticas de corrupção, indeferindo o recurso dos “axadrezados”, que apelavam contra decisão semelhante por parte da Comissão Disciplinar (CD) da Liga de clubes, no âmbito do processo Apito Final.

«Sempre disse que tudo o que se passou depois era inexistente em termos jurídicos no que dizia respeito ao CJ. Portanto, neste momento não há nenhuma decisão válida que tivesse sido proferida pelo CJ de despromoção do Boavista. O Boavista deverá ser considerado como clube da I Liga de pleno direito porque a decisão não existiu», completou Gonçalves Pereira.

A FPF dispõe ainda da possibilidade de recorrer da decisão hoje anunciada para o Tribunal Central Administrativo do Sul.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto