O Manchester United puxou dos galões para aplicar a primeira derrota a Mourinho no Tottenham. Os 'red devils' fizeram, provavelmente, a melhor exibição da época, num jogo onde dominaram por completo os 'spurs' de Mourinho, vencendo por 2-1, em partida da 15.ª jornada da Premier League. Rashford foi um verdadeiro 'diabo à solta', ao marcar os dois golos do Manchester United. Não era este o resultado que Mourinho esperava neste seu regresso a Old Trafford.

Veja as melhores imagens do jogo

De sorriso no rosto e muita descontracção: foi assim que José Mourinho assinalou o seu regresso a Old Trafford, uma casa que bem conhece. O português assumiu o Tottenham há duas semanas, depois de quase um ano no desemprego. Um desemprego compulsivo, atirado para lá pelos dirigentes do Manchester United a 18 de dezembro de 2018, após uma derrota por 3-1 com o Liverpool em Anfield Road. Nas quase três épocas no Manchester United, recorde-se, venceu a Supertaça inglesa, a Taça da Liga e a Liga Europa.

Além dos títulos, conseguiu a melhor classificação para o Manchester United na Premier League, desde a saída de Alex Ferguson em 2013: um segundo lugar na Premier League 2017/2018. Um passado que os adeptos não esquecem, como mostraram alguns aplausos dirigidos ao técnico português.

Se o United estava longe dos pergaminhos do passado com José Mourinho, pior ficou com Ole Gunnar Solskjaer, técnico que acabou a época passada num desastroso 6.º lugar e esta temporada apenas venceu oito dos 21 jogos oficiais esta temporada e estava num impensável 9.º da Premier League, já a 22 pontos da liderança, em apenas 14 rondas.

Depois de vencer todos os três jogos anteriores ao comando do Tottenham (3-2 ao West Ham, 4-2 ao Olympiakos e 3-2 ao Bournemouth), o 'Special One' procura o quarto triunfo que podia atirar os 'spurs' para os seis primeiros.

Rashford 'endiabrado' e Mourinho 'encostado' às cordas

Com a 'corda no pescoço' e frente ao homem que foi substituir no leme do United, Ole Gunnar Solskjaer preparou este jogo com se de uma final de 'Champions' se tratasse. É que os 'red devils' terão feito o seu melhor jogo da época. Com uma pressão forte sobre os portadores da bola, uma circulação rápida, combinações perfeitas e um Rashford endiabrado, o Manchester United ia 'sufocando' o Totenham no seu último reduto.

Com a equipa ainda a assimilar as ideias de Mourinho, o Tottenham continua sem ser uma equipa confiante a sair a jogar. Aos sete minutos, essa desconfiança apoderou-se do colombiano Davison Sanchez, que hesitou a bola para Lingard, que entregou de pronto para Marcus Rashford. O inglês rematou forte e com pouco ângulo, Gazzaniga deu uma 'ajuda' e deixou a bola passar pelo poste que devia estar a proteger. Mourinho entrava a perder no seu regresso à Old Trafford.

Os adeptos gostavam, Old Trafford estava em ebulição e a equipa crescia. As muitas perdas de bola do Tottenham, incapaz de sair a jogar, deixava o United mais perto do 2-0. Um livre de Rashford aos 19 deu sensação de bolo mas passou a centímetros do poste direito. Aos 25, Rashford novamente, numa 'bomba' de fora da área que Gazzaniga só teve tempo de desviar com a ponta dos dedos para a barra, que ficou a tremer, tal era a força do remate. Aos 28, novo duelo entre os dois, com o guarda-redes argentino a levar a melhor sobre o jovem avançado inglês. No minuto seguinte foi Lingaard a rematar para fora, em mais um lance de muito perigo.

Com 34 minutos de jogo, o Tottenham não tinha feito qualquer remate à baliza. O ritmo imposto pelo United, a superioridade nos duelos, a pressão em todo o campo e forma eficaz com que se saía a jogar para chegar até ao último terço, estaria a surpreender até os próprios adeptos da casa, que terão perguntado: 'Onde andava este United?'.

Dele Alli dá 'oxigénio', Moussa Sissoko 'rebenta' com a garrafa

A primeira jogada atacante do Tottenham, com princípio, meio e fim, deu em golo. E que golo. Son Heung-min perdeu tempo na área mas cedeu para Vertonghen que cruzou tenso. Aurier ganhou ao segundo poste e rematou de primeira, De Gea defendeu para a frente, a bola subiu e foi ter com Dele Alli que, pressionado por Fred, fez uma receção fantástica, passando a bola sobre dois adversários antes de finalizar com classe. Golaço em Old Trafford e Mourinho a respirar de alívio

O lance ainda teve de ser confirmado pelo vídeo-árbitro, já que havia a dúvida se o esférico tinha desviado ou não no braço de Dele. Era o terceiro jogo consecutivo a marcar para o médio inglês, que parece ter ganho uma nova vida com José Mourinho.

Mas logo no início do segundo tempo, umas asneira de Moussa Sissoko, vai acabar com a resposta do Tottenham. O endiabrado Rashford fez uma maldade a Aurier e acelerou, Sissoko foi atrás dele e acabou por derruba-lo na área, com um pequeno toque no pé esquerdo. Grande penalidade, confirmada pelo VAR, que Rashford converteu com classe: guarda-redes para um lado, remate para o meio da baliza.

Do banco esperava-se uma reação de José Mourinho, que optou por trocar o extremo Lucas Moura pelo médio Eriksen, em vez de tirar um dos médios, Cissoko ou Winks. Depois lançou mais um médio, NDombèlé, por outro médio, Winks, antes de apostar em Lo Celso para os últimos minutos.

Nos derradeiros minutos, o Manchester United recuou no terreno, tapou os caminhos para a sua baliza e defendeu o 2-1 com 'unhas e dentes'.  O Tottenham tentou de todas as formas mas sem sucesso. O último remate, de Delle Ali aos 94, terminou nas mãos de De Gea. A equipa de Manchester podia até ter marcado em contra-ataque.

Se a equipa de Ole Gunnar Solskjaer jogasse sempre assim, muito dificilmente estaria com menos 22 pontos que o líder Liverpool em apenas 14 jornadas.

A vitória permite ao Manchester United ultrapassar o Tottenham na classificação. Os 'red devils' saltam para o 6.º lugar com 21 pontos, os mesmos do Crystal Palace. Os 'spurs' são oitavos, com 20 pontos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.