Depois de vários jogos em que a sorte do jogo - ou a tão famosa estrelinha - sorriu ao Sporting nos últimos minutos, os leões provaram o sabor amargo que tantas vezes esta época deram a provar aos adversários e perderam pontos nos últimos instantes da partida frente ao Moreirense na última noite.

Num jogo em que a equipa de Rúben Amorim teve mais bola, impôs o ritmo e até colocou a bola na baliza três vezes (só uma delas subiu ao marcador), a sorte acabou por sorrir ao emblema de Moreira de Cónegos que conseguiu intrometer-se no controlo leonino para aproveitar uma das poucas oportunidades da partida para fazer o empate em cima do minuto 90.

O Jogo: Poucas oportunidades e o VAR a 'tirar o pão da boca'

Depois de duas semanas de paragem na I Liga, Rúben Amorim promoveu poucas alterações quando comparado com o último onze apresentado, frente ao Vitória de Guimarães: Coates e Paulinho foram as novidades no onze, ocupando os lugares de Luís Neto e Tiago Tomas.

Já Vasco Seabra mexeu três peças, face ao onze apresentado na jornada passada, com o Paços de Ferreira: saíram Ferraresi, Alex Soares e Yan Matheus para as entradas de Abdoulaye, Filipe Soares e Pires.

Pressionado pelas vitórias dos principais rivais, o Sporting entrou em campo com dificuldades em chegar ao último terço da equipa do Moreirense, que foi a primeira a criar perigo quando, aos oito minutos, Fábio Pacheco isolou Rafael Martins que atirou ao lado da baliza de Adán.

Depois do aviso, o Sporting tomou as rédeas do jogo, mantendo a bola no interior do meio-campo adversário. Após rondar o último terço em várias ocasiões, os leões chegaram ao golo na primeira oportunidade de que dispuseram na partida.

Aos 21 minutos, Daniel Bragança, pela direita, fez um cruzamento a régua e esquadro que foi direto à cabeça de Paulinho que viu Pasinato, com uma grande intervenção, a defender a sua primeira tentativa. O guardião do Moreirense já não foi capaz de defender a recarga e o avançado estreou-se a marcar pelos leões em jogos oficiais.

Em vantagem, Rúben Amorim foi obrigado a mexer na equipa depois de uma entrada muito dura de Franco sobre Nuno Mendes, que justificava o amarelo que não foi mostrado por João Pinheiro. O lateral ficou maltratado e teve de ser rendido por Matheus Reis aos 39 minutos de jogo.

O jogo entrava numa parte mais ‘rasgadinha’, com várias faltas de parte a parte e com Abdoulaye a ver o primeiro amarelo, depois de uma entrada sobre Matheus Reis. Amorim também foi amarelado ao pedir o amarelo para o jogador do Moreirense nesse lance. O Moreirense tentava responder, mas sem sucesso, frente a um Sporting que controlava as operações.

Os leões chegaram a gritar golo pela segunda vez na partida antes do intervalo quando Paulinho, de sangue frio e frente a Pasinato, picou a bola por cima do guardião do Moreirense e abanou as redes pela segunda vez aos 45 minutos.

Contudo, o lance acabou invalidado pelo VAR devido à posição irregular de Pedro Gonçalves no início da jogada.

O Sporting chegava ao intervalo com um resultado que se justificava face ao controlo que demonstrava na partida depois de uma entrada menos boa. O Moreirense, além da oportunidade aos oito minutos, não tinha criado mais perigo junto da baliza leonina.

À entrada do segundo tempo, os leões procuraram o segundo golo que trouxesse a tranquilidade à equipa e esteve perto de acontecer aos 50 minutos, primeiro com um remate de Pedro Gonçalves, cortado pela defesa de Moreira de Cónegos e depois por Palhinha, que viu o seu remate segurado por Pasinato.

Os leões voltaram a colocar a bola na baliza aos 58 minutos, com Pedro Gonçalves a esticar-se para tocar no esférico e encaminha-lo para o fundo das redes, mas João Pinheiro assinalou de imediato fora de jogo, que depois de (uma longa) análise do VAR foi confirmado. 'Pote' estava em posição irregular por dois centímetros.

De seguida, o Moreirense fez tremer o leão, rondando com perigo a baliza de Adán, mas sem conseguir o remate e o Sporting voltava à carga em busca do segundo golo.

Os leões seguravam a bola, controlando a partida. Aos 80 minutos o Sporting ficou novamente perto do 2-0, mas Feddal, na sequência de um canto, atirou ao lado da baliza do Moreirense.

O Sporting detinha as melhores oportunidades, mas não chegou ao golo e foi aqui que entrou em ação uma das velhas máximas do futebol: quem não marca…

Com o leão a não ser capaz de encontrar o caminho para o fundo da baliza, o Moreirense acreditou e conseguiu ter mais bola nos últimos minutos, rondando o último terço leonino. Depois de ter aberto o jogo com grande oportunidade, fechou o jogo com uma grande oportunidade que converteu com sucesso.

Abdu cruzou pela direita e Feddal tentou o corte de qualquer maneira, acabando por colocar a bola nos pés de Walterson que, à entrada da área, rematou colocado para um belo golo que fez o empate aos 90 minutos.

A famosa estrelinha virou-se contra a equipa de Rúben Amorim e o Sporting acabou por não conseguir aquilo que tantas vezes tinha conseguido ao longo da época: arrecadar os três pontos nos últimos instantes.

O Sporting somou o quinto empate esta época e voltou a perder pontos na Primeira Liga, três jogos depois do empate no Estádio do Dragão. É precisamente o FC Porto quem mais beneficia deste empate, vendo a vantagem leonina encurtar para oito pontos, numa altura em que faltam nove partidas para o final do campeonato.

O momento: Min. 90 - golo de Walterson

O melhor: Paulinho

Assinou o seu primeiro golo em jogos oficiais (na semana passada já tinha marcado num jogo de treino) e até bisou na partida, mas o tento acabou invalidado. Mostrou-se em boa forma no ataque leonino e com boas combinações com os restantes colegas.

O pior: Muita bola, pouco perigo

O Sporting esteve em controlo a maior parte do tempo, com mais bola, rondando muito a área do Moreirense, mas sem criar muitas grandes oportunidades, com mérito também para a organização da equipa da casa.

É certo que foi por centímetros que a equipa de Alvalade não chegou ao segundo, mas pedia-se um leão mais aguerrido na hora do ataque para aumentar a conta no marcador e afastar um sempre perigoso 1-0, que acabou por se transformar num 1-1 que tirou dois pontos na vantagem verde e branca.

Reações

Paulinho considera resultado "injusto e enganador", Walterson destaca a entrega do Moreirense

Vasco Seabra: "Fizemos uma partida com muito mérito"

Rúben Amorim: "Já nos aconteceu o contrário, desta vez foi o Moreirense a marcar no fim"

Resumo

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.