Depois de se ver eliminado da Taça de Portugal, ao perder por 2-0 na Madeira, frente ao Marítimo, o Sporting somou o segundo jogo seguido sem ganhar, não conseguindo melhor do que um empate (1-1) na receção ao Rio Ave, para a 14ª jornada da Liga portuguesa que, ainda assim, continua a liderar isolado.

Quer isto dizer que, pela primeira vez esta época, o Sporting está dois jogos seguidos sem conhecer o sabor da vitória. Prova de que a equipa de Rúben Amorim não está a conseguir mostrar a força que mostrava há cerca de um mês. Algo que já vinha sendo notório nos últimos jogos, mas que com maior ou menor dificuldade os leões estavam a conseguir disfarçar.

Mas, desta feita, a essa quebra a nível exibicional juntou-se outro factor: a ausência de jogadores importantes (por culpa da COVID-19, sobretudo), evidenciando que há no plantel verde e branco lacunas que muitos reconheciam desde o início, mas que até agora a turma de Alvalade estava a conseguir superar. Só que, num mês de janeiro extremamente exigente, não será fácil continuar a escondê-las...e o mês ainda só vai a meio...

Frente ao Rio Ave o Sporting até teve o pássaro na mão. Mesmo sem jogar bem, conseguiu fazer o que parecia mais difícil, que era marcar e ganhar vantagem no jogo. Porém, três homens que tão bem conhecem a casa acabariam por 'trair' o antigo clube e ditar um empate que os 'leões' não mostraram depois, nunca, capacidade de desfazer.

O jogo: O suspeito do costume ainda disfarçou noite de pouca inspiração, mas trio de velhos conhecidos ditou empate

Sem Nuno Mendes (COVID-19), Luís Neto (COVID-19), Feddal (castigado) e Sporar (COVID-19), Rúben Amorim viu-se obrigado a várias mexidas na sua habitual equipa inicial. Colocou Eduardo Quaresma e Borja ao lado de Coates no trio defensivo e meteu Plata a fazer de Nuno Mendes, procurando que o equatoriano conferisse ao flanco esquerdo a mesma acutilância que o jovem lateral português habitualmente confere.

A primeira parte esteve longe de ser bem conseguida, de parte a parte. O Sporting teve mais posse de bola, mas sem nunca encontrar soluções para tirar partido dessa posse. Até ao minuto 42, quando marcou na primeira real situação de golo que criou. E a assistência para o goleador do costume - Pedro Gonçalves, que assim já leva 12 na I Liga - até foi de Plata, na esquerda, justificando a aposta de Rúben Amorim. E foi nesse período, até ao intervalo, que o Sporting podia ter partido em definitivo para a vitória. Dispôs de mais duas oportunidades, por Tiago Tomás e Nuno Santos, mas não marcou.

Não marcou, e pagou caro por isso. É que o Rio Ave surgiu com outra postura no arranque do segundo tempo. Com o ex-Sporting Francisco Geraldes a pegar na batuta, começou a encontrar mais e mais espaços no meio campo dos 'leões', até que marcou mesmo. Geraldes, com um magistral passe, rasgou por completo a defesa leonina, desmarcou outro antigo leão, Mané, que de pronto assistiu mais outro velho conhecido de Alvalade, Gelson Dala, para o 1-1. Um trio de ex-leões a mostrar qualidade numa casa que bem conhecem.

A partir daí o Sporting até tentou reagir. Só que veio ao de cima a escassez do plantel. Do banco saltaram Tabata e Jovane, que tentaram, mas não conseguiram fazer a diferença. Armas escassas para uma equipa que sonha manter até ao fim uma liderança na I Liga que para já - e face à igualdade que se seguiu entre FC Porto e Benfica - se mantém nos quatro pontos, mas que podia muito bem ter sido dilatada para os seis, o que certamente reforçaria o moral da equipa.

O momento: O minuto da 'traição' de Geraldes, Mané e Dala

Minuto 61. O Rio Ave estava a crescer a olhos vistos no jogo e eram evidentes os espaços que encontrava entre o meio-campo e a defesa do Sporting. Num desses lances, Francisco Geraldes arrancou, desmarcou Carlos Mané com um fantástico passe a rasgar a defesa contrária e este assistiu de pronto Gelson Dala, que só teve de tocar para o fundo da baliza. Estava feito o empate e o resultado não mais iria mexer.

O melhor: Pedro Gonçalves continua a marcar, Francisco Geraldes a mostrar a classe que todos lhe reconhecem

E vão 12. Pedro Gonçalves continua a sua época de sonho nesta primeira temporada de leão ao peito. Chegou aos 12 golos na I Liga e segue destacado no topo da lista de melhores marcadores. Se o Sporting parece começar a quebrar, 'Pote' nem por isso. A bola teima em ir ter com ele, como se viu pelo pequeno desvio que esta sofreu na assistência de Plata, deixando-a ainda mais a jeito para o antigo jogador do Famalicão marcar.

Se Pedro Gonçalves está em grande, Francisco Geraldes também. E a exibição que protagonizou esta noite em Alvalade vai, certamente, voltar a levantar a dúvida entre muitos adeptos se o seu adeus ao Sporting terá sido mesmo uma decisão acertada. Para além do passe que esteve na origem do golo do Rio Ave, Geraldes teve mais uma série de arrancadas e pormenores fantásticos, mostrando toda a sua classe até ao momento em que acabou por ser substituído, numa altura em que estava a ser um dos jogadores mais em evidência no jogo.

O pior: Leões sem capacidade de resposta

O golo do empate do Rio Ave surgiu aos 61 minutos. Ou seja, o Sporting tinha mais de meia hora (contando com o período de descontos) para correr atrás do prejuízo e voltar à liderança no marcador. Mas nunca pareceu realmente capaz de o fazer. As armas que saltaram do banco foram poucas e de pólvora seca e as ocasiões de golo limitaram-se a um cabeceamento fraco de João Mário às malhas laterais e a um remate de Tiago Tomás, já bem dentro da área, interceptado por Aderllan Santos. Muito pouco.

Estatísticas e curiosidades

- Pela primeira vez esta temporada o Sporting está dois jogos seguidos sem ganhar (derrota com o Marítimo, empate com o Rio Ave). Ao todo, esta temporada, no conjunto de todas as provas os leões somam 15v, 3e, 2d em 20 jogos.

- Pedro Gonçalves chegou aos 12 golos em 16 jogos pelo Sporting em 2020/21; Bruno Fernandes foi o melhor marcador dos 'leões' na temporada passada, com 15 golos marcados em 28 jogos.

- O Rio Ave somou o quarto jogo seguido sem perder com o Sporting no conjunto de todas as competições (três deles foram em Alvalade).

As reações

- Rúben Amorim, treinador do Sporting: "Só nos podemos queixar de nós próprios por não levar a vitória"

- Pedro Cunha, treinador do Rio Ave: "Queríamos ganhar e tentámos"

- João Mário: "Não olhamos para desculpas"

- Aderllan Santos: "A primeira parte foi menos boa, mas na segunda parte mudámos a atitude"

O resumo

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.