Não deixa de ser curioso que, em tempos de contenção económica motivada pela pandemia da COVID-19, o Benfica tenha revelado um investimento sem precedentes numa só temporada. O clube da Luz gastou um total de 98,5 milhões de euros em nove reforços, num defeso marcado pelo regresso de Jorge Jesus à Luz e na antecâmara das eleições para a presidência do clube.

No que toca a contratações, o destaque vai para Darwin Núñez, que se tornou no jogador mais caro de sempre do futebol português, com os 'encarnados' a desembolsarem 24 milhões de euros pelo avançado uruguaio, depois de um falhanço chamado Edinson Cavani. A contratação mais cara da história do futebol nacional é sintomática da fasquia milionária estabelecida pelo Benfica, apesar da eliminação precoce da Liga dos Campeões, bem longe dos investimentos de FC Porto (22 milhões de euros) e Sporting (17,5 milhões de euros).

Os outros reforços foram Everton Cebolinha (20 milhões de euros), Pedrinho (18), Luca Waldschmidt (15), Otamendi (15), Gilberto (3) e Helton Leite (1,5), Jan Vertonghen, que chegou a custo zero e Jean-Clair Todibo, cedido à última hora pelo Barcelona a troco de dois milhões de euros.

Benfica no Top 10 europeu dos que mais gastaram no mercado. Confira os 15 clubes que mais investiram do último defeso
Benfica no Top 10 europeu dos que mais gastaram no mercado. Confira os 15 clubes que mais investiram do último defeso
Ver artigo

Todibo chega à Luz na impossibilidade de garantir Rúben Semedo, jogador que interessava a Jorge Jesus, mas cuja contratação revelou-se impossível face às elevadas exigências do Olympiacos. O mesmo se pode dizer em relação a Bruno Henrique, outro pedido expresso do técnico 'encarnado', com quem já havia trabalhado no Flamengo, mas o negócio não chegou a bom porto.

De acordo com o site 'Transfermarkt', o Benfica foi o sexto clube que mais gastou no mercado de transferências do verão. As 'águias' investiram 98,5 milhões de euros no plantel, o que vale presença no 'top 10' de uma lista liderada pelo Chelsea, que gastou 247,2 milhões de euros.

Quanto a saídas, o Benfica emprestou com surpresa o jovem Tiago Dantas ao Bayern Munique, fixando a opção de compra nos oito milhões de euros, em moldes idênticos à cedência do avançado Carlos Vinícius, melhor marcador da última edição da I Liga, cuja cláusula ronda os 45 ME, dos quais três já foram liquidados pelo Tottenham.

Outros empréstimos incluíram os defesas Pedro Álvaro (Belenenses SAD), Pedro Pereira (Crotone) e Tomás Tavares (Alavés), os médios Alfa Semedo (Reading), David Tavares (Moreirense), Florentino Luís (Mónaco), Krovinovic (West Brom) e Nuno Santos (Boavista) e os avançados Cádiz (Nashville), Jota (Valladolid) e Yony González (LA Galaxy).

Rúben Dias liderou a tabela de vendas definitivas do Benfica, assinando pelo Manchester City a troco de 68 milhões de euros, bem distanciado do colega de setor Cristian Lema (Damac, dois ME) e do guarda-redes Ivan Zlobin (um ME), pronto a rever em Famalicão o avançado Dyego Sousa, que cessou a passagem pela Luz.

Esta quarta-feira, através da sua newsletter, as 'águias' explicaram a saída de Rúben Dias para os 'citizens'. "Entre os mais utilizados em 2019/20, saíram Rúben Dias, Tomás Tavares e Vinícius. No caso particular de Rúben Dias, há que referir a oportunidade de equilibrar as contas, dado o montante envolvido na transação. A alienação do passe de Rúben Dias por 68 milhões de euros (a que poderão acrescentar 3,6 milhões de euros mediante o cumprimento de objetivos do Manchester City) tratou-se da quarta transferência mais elevada neste defeso, a quinta maior de sempre no que respeita a defesas, e sobretudo alcançou um valor justo face à qualidade de um destacado atleta formado no clube", pode ler-se.

Saída de Rúben Dias, empréstimo de jovens da formação e reforços: Benfica faz balanço do mercado de transferências
Saída de Rúben Dias, empréstimo de jovens da formação e reforços: Benfica faz balanço do mercado de transferências
Ver artigo

O Benfica veio ainda esclarecer os vários empréstimos de jogadores formados no clube. "Nota ainda para o empréstimo de vários jogadores jovens (David Tavares, Florentino, Jota, Pedro Álvaro, Tiago Dantas e Tomás Tavares), obedecendo a uma política de valorização desportiva com vista à reintegração no plantel. E ainda de Vinícius, para o Tottenham, numa operação com contornos semelhantes à que resultou na transferência de Jiménez para o Wolverhampton", acrescenta o Benfica.

"Estas operações visam proporcionar aos jovens jogadores a oportunidade de jogarem, permitir que evoluam, adquirirem experiência e consolidarem o seu crescimento de forma a estarem mais bem preparados para representarem o Clube. Este foi, de resto, o caso de Diogo Gonçalves, que regressa agora ao clube após dois anos a jogar e evoluir noutras paragens", explica o clube 'encarnado'.

Com rescisão acordada ficaram Alex Pinto (Farense), Bruno Varela (Vitória de Guimarães), Chris Willock (QPR), Heriberto Tavares (Brest), Ljubomir Fejsa (Al Ahli) e Andrija Zivkovic (PAOK), que exigiu 1,8 ME pela saída e contribuiu para afastar os lisboetas dos 39,6 milhões de euros associados à entrada na fase de grupos da Liga dos Campeões.

De ressalvar que a SAD liderada por Luís Filipe Vieira está entre os maiores investidores do verão, mas também entre aqueles que mais dinheiro garantiram com a venda de jogadores. Nesse ranking o Benfica surge na 9.ª posição, com uma receita de 76,42 milhões de euros.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.